Felipe Oliveira/Bahia
Felipe Oliveira/Bahia

Sem vencer há cinco jogos, Bahia desafia líder Flamengo no Maracanã

Equipe baiana vem de um jejum de cinco jogos sem vitória - dois empates e três derrotas - e por isso caiu para o meio da tabela de classificação

Redação, Estadão Conteúdo

10 de novembro de 2019 | 16h52

Após o decepcionante empate em casa com a Chapecoense, o Bahia terá um desafio bem mais complicado pela frente neste domingo, às 18 horas. O time de Roger Machado vai desafiar o líder Flamengo, cada vez mais perto do título, no Maracanã, no Rio de Janeiro, pela 32ª rodada do Brasileirão. A equipe baiana vem de um jejum de cinco jogos sem vitória - dois empates e três derrotas.

O último triunfo aconteceu diante do Grêmio, na 26ª rodada, em Porto Alegre, em 10 de outubro. A queda de produção derrubou o time na tabela para uma posição intermediária, com 43 pontos, cada vez mais longe do G-6 - que garante vaga na próxima Copa Libertadores. "O excesso de jogos e de viagens desgastaram o grupo e houve uma queda de produção. Nós precisamos manter a tranquilidade e não deixar sair do prumo, o que é necessário para a gente melhorar e voltar a vencer", explica Roger Machado.

Na sexta-feira à tarde, antes do treino no Fazendão, um grupo de torcida organizada se reuniu com a diretoria e alguns jogadores. O presidente Guilherme Bellintani conversou com os torcedores, tendo ao lado o vice Vitor Ferraz e o diretor de futebol Diego Cerri. Representando os jogadores estiveram os goleiros Douglas e Anderson, além do zagueiro Lucas Fonseca e do atacante Gilberto.

Com a sequência de jogos, Roger Machado não vem tendo muito tempo para testar novas formações ou treinar. Insatisfeito com o desempenho recente do time, o técnico indicou que pode fazer algumas mudanças. Uma delas poderia ser a entrada de Guerra no meio-campo na vaga de Marco Antônio, que está sentindo dores no pé direito.

O meia Marco Antônio, autor do gol de empate por 1 a 1 com a Chapecoense, deixou a partida mancando e reclamando de dores, mas garantiu que deseja jogar. "Não quero ficar fora deste jogo. O Flamengo é forte, mas acho que fora de casa a gente tem ido bem. Temos que fortalecer a marcação e tentar surpreender nos contra-ataques", comentou o meia.

A novidade maior pode ser o atacante Gilberto, artilheiro do time com 11 gols e que tem ficado na reserva nos últimos jogos. Ele não balança as redes há 10 jogos, embora seja também o maior goleador do time na temporada, com 26 gols.

Por coincidência, ele marcou os três gols na vitória por 3 a 0 sobre o mesmo Flamengo no primeiro turno, justamente, na última derrota do time carioca na competição. Gilberto poderia voltar no lugar de Fernandão. Ou o time poderia até manter os dois centroavantes para a saída de Élber, que não tem ido bem. Esta forma foi utilizada no segundo tempo na rodada passada. Por outro lado, Elton e Giovanni seguem lesionados, enquanto Ronaldo não pode ser utilizado porque pertence ao Flamengo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.