Sem William, Oséas estréia no Santos

O Santos tentou até o último momento registrar o novo contrato do atacante William, assinado hoje à tarde, mas não teve sucesso. Assim, Celso Roth deverá promover a estréia de Oséas no jogo das 16 horas deste sábado, contra a Portuguesa, no Canindé. Isso, mesmo sem que o jogador esteja em plena forma física. Já em relação ao lateral-direito Michel, que também renovou hoje, houve tempo para regularizar a documentação e ele está confirmado para a partida. Com essas definições, restou apenas um mistério: o esquema tático que será adotado. Celso Roth informou que espera analisar melhor a Portuguesa para definir como o time jogará. "Por isso, a definição só deverá ocorrer pouco antes da partida", informou o treinador. Pela manhã, Celso Roth esperava contar com William e evitou confirmar a equipe. Depois do almoço, o atacante se reuniu com a diretoria e acabou resolvendo os detalhes que emperravam as negociações: o Santos comprou metade de seu passe e acertou um novo contrato de três anos. A partir daí começou a correria para registrar o documento na CBF, mas não houve tempo. Por conta dessa esperança de contar com o recém-lançado centroavante, o treinador não havia confirmado a estréia de Oséas. Reticente, respondeu: "ele está treinando com empenho e com muita expectativa e está numa situação que poderá ser aproveitado". TÁTICA - Mesmo sem confirmar a forma de atuação do Santos, a movimentação no CT Rei Pelé indica que ele optará pelo esquema 3-5-2, com Odvan, Preto e Cléber na zaga. Os laterais Michel e Léo ganham liberdade para avançar. Adotando esse sistema, Elano sai da equipe, já que Esquerdinha retornou da seleção e tem vaga garantida nesta partida. Domingo à noite, ele viaja com a seleção para a Arábia Saudita. Robert será adiantado, formando a dupla de ataque com Oséas. Já Oséas se diz pronto para jogar. ?A ansiedade é grande e, mesmo não estando 100% em forma, vou superar as dificuldades que, naturalmente, surgirão". Oséas está treinando com bola, mas ainda não participou de coletivo com o time principal. Por isso, ele espera uma dificuldade adicional. "Temos que superar isso e tentar marcar contra a Portuguesa", disse. E o atacante sabe que a torcida espera que ele faça gols. "Minha função é marcar gols, mas quero deixar claro que não sou o salvador da pátria". E explicou: "todos têm sua responsabilidade e os gols só irão surgir com a ajuda dos companheiros".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.