Thomas COEX / AFP
Thomas COEX / AFP

Senado da França aponta falha das autoridades na segurança da final da Liga dos Campeões

Laurent Lafon, presidente da Comissão de Cultura do Senado, pede desculpas aos torcedores do Liverpool, inicialmente culpados pelo atraso e confusões geradas antes da partida

Redação, Estadão Conteúdo

13 de julho de 2022 | 14h10

Senadores franceses afirmaram, nesta quarta-feira, que o caos do lado de fora do Stade de France, em Paris, na final da Liga dos Campeões, entre Real Madrid e Liverpool, dia 28 de maio, ocorreu por causa de uma série de erros da polícia e da segurança - e não devido a ações de torcedores do Liverpool anteriormente culpados - com "mau funcionamento em todas as fases" antes, durante e depois do jogo.

Os senadores fizeram uma série de recomendações para que vários problemas sejam resolvidos antes da disputa da Copa do Mundo de Rúgbi no próximo ano e a Olimpíada de 2024 que a França vai ser sede. As conclusões do relatório sobre a final foram divulgadas, após a má repercussão mundial, que levantou questões sobre como a França gerencia a segurança em grandes eventos.

"A gravidade do que aconteceu no Stade de France mostra que há ainda muitos ajustes a serem feitos e muitas decisões a serem tomadas para garantir que esses incidentes não aconteçam novamente", disse Laurent Lafon, presidente da Comissão de Cultura do Senado.

Ele não tem dúvidas de que a França é capaz de organizar grandes eventos no futuro, mas essas garantias devem ser dadas ao mais alto nível. Lafon inclui o presidente francês Emmanuel Mácron quando fala na determinação do país em prevenir novos problemas.

Desde a final, na qual o pontapé inicial atrasou por mais de 30 minutos, os senadores franceses interrogaram funcionários e seguranças. Apresentando suas conclusões, Lafon culpou uma falta geral de coordenação e autoridade, dizendo que havia "mau funcionamento em todas as etapas" da final.

A Uefa também começou a recolher provas sobre questões que prejudicaram um dos maiores eventos esportivos do mundo. O Real Madrid venceu o Liverpool por 1 a 0.

Lafon também pediu desculpas aos torcedores do Liverpool e do Real Madrid, dizendo que foram vítimas e não responsáveis pelos acontecimentos, como as autoridades francesas haviam inicialmente sugerido. Ele também criticou o sistema de bilheteria da Uefa e disse que os ingressos em papel foram facilmente forjados.

O ministro do Interior da França, Gerald Darmanin, chegou a sustentar que a presença de até 40 mil torcedores - supostamente maioria do Liverpool - sem bilhetes ou com bilhetes falsificados teriam causado os incidentes que marcaram o evento. Mas apenas 2.471 bilhetes falsificados foram identificados no Stade de France.

Darmanin disse ainda que dispersar a multidão que se acumulou perto do estádio com gás lacrimogêneo foi a única maneira de evitar que as pessoas fossem esmagadas. Muitos torcedores também reclamaram de roubos e agressões após a partida.

François-Noel Buffet, presidente da comissão de direito do Senado, disse que a proteção dos torcedores não foi suficientemente assegurada, observando que as forças policiais lutaram para acabar com os problemas que ocorreram em torno do estádio. "O número de pessoas mobilizadas para lutar contra a delinquência foi, portanto, subdimensionado", disse Buffet.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.