Alexander Nemenov/AFP
Alexander Nemenov/AFP

Senegal bate Polônia e garante primeira vitória africana na Copa

Gueye e Niang aproveitam falhas da defesa do time europeu garantem resultado na estreia

Estadão Conteúdo

19 Junho 2018 | 14h05

Festa africana em Moscou. Senegal conquistou a primeira vitória entre as seleções do continente na Copa do Mundo da Rússia, em 2018. Em jogo disputado contra a Polônia, no estádio Spartak, na capital do país, o time do craque Sadio Mane venceu o rival por 2 a 1 e deu importante passo rumo à classificação para as oitavas de final no Grupo H do mundial.

+ TEMPO REAL: Polônia 1 x 2 Senegal

Os primeiros 15 minutos foram de muito estudo. Enquanto os polonoses tentavam chegar à meta do goleiro Ndiaye mais na base da troca de passes, Senegal explorava as saídas rápidas para o contra-ataque como principal arma.

Todas as jogadas de ataque da Polônia passavam pelos pés de Robert Lewandowski. O problema é o atacante do Bayern de Munique estava muito bem marcado e soltava a bola rápida para seus companheiros, que não são do mesmo nível.

Com o passar do tempo, o técnico do Senegal, o ex-jogador da seleção senegalesa Aliou Cisse, percebeu a pouca movimentação dos poloneses e armou o bote – a ideia era agilizar a transição da defesa para o ataque, usando Sadio Mane, o craque do time, que fez excelente temporada no Liverpool ao lado do brasileiro Roberto Firmino e do egípcio Mohamed Salah.

A estratégia deu certo. Aos 36 minutos do primeiro tempo, Mbaye Niang recuperou a bola, Sadio Mane apenas com o deslocamento em campo atraiu a atenção de dois marcadores e o volante Gana Gueye apareceu na entrada da área, livre. Niang então rolou a bola e Gueye chutou forte, mas sem direção – no caminho, ela desviou no zagueiro brasileiro Thiago Cionek e enganou o goleiro Wojciech Szczesny.

 

Depois, até o final da primeira etapa, os dois times não tiveram mais nenhuma grande oportunidade para balançar as redes. Na segunda etapa, o técnico da Polônia fez uma alteração e subiu o posicionamento de seus meio-campistas e defensores. Assim, mais compacto, com os jogadores mais perto um do outro, o time ficou mais ágil.

A primeira boa chance para empatar surgiu aos quatro munitos. Lewandowski recebeu ótimo passe no meio dos zagueiros e partiu em velocidade do meio-campo. Ele só foi parado com falta. Ele mesmo cobrou muito bem, mas, atento, o goleiro Ndiaye conseguiu espalmar.

O time teve outra excelente chance de marcar o primeiro gol no mundial aos dez minutos. Em boa jogada pela esquerda do ataque, Rybus cruzou na segunda trave e Lukasz Piszczek, sozinho, pegou mal na bola, que mesmo mascada, passou com perigo, rente à trave.

O problema é que a Polônia, mais uma vez, entregou um gol de graça para Senegal. Aos 14, Kalidou Koulibaly deu um bico para a frente desde a defesa africana. Jan Bednarek foi cortar, mas errou. O goleirão Szczesny saiu mal do gol e Mbaye Niang ficou sozinho, com o gol aberto, livre para fazer o segundo e aumentar a festa da pequena torcida da seleção no estádio Spartak.

 

A Polônia ainda tentou se arrumar em campo e, mais na base da raça do que da técnica, chegou ao seu gol aos 41 do segundo tempo. Em falta levantada na área, Grzegorz Krychowiak subiu mais do que todo mundo e fez um lindo gol de cabeça, para explosão polonesa no estádio. O árbitro da Bielorrussia chegou a consultar o VAR (Árbitro Assistente de Vídeo, na singla em inglês) para ver se havia impedimento, mas o lance foi normal.

Depois, até o final do jogo, Senegal soube segurar a bola para não sofrer mais nenhuma pressão. As duas equipes voltam a campo no domingo. Às 12h, Senegal joga contra o Japão (que também venceu na estreia) e às 15h, a Polônia encara a Colômbia, horário de Brasília.

FICHA TÉCNICA

POLÔNIA 1 X 2 SENEGAL

POLÔNIA: Wojciech Szczesny; Lukasz Piszczek (Bartosz Bereszynski), Michal Pazdan, Thiago Cionek e Maciej Rybus; Grzegorz Krychowiak e Piotr Zielinski; Jakub Blaszczykowski (Jan Bednarek), Arkadiusz Milik (Dawid Kownacki) e Kamil Grosicki; Robert Lewandowski. Técnico: Adam Nawalka

SENEGAL: Khadim Ndiaye; Moussa Wagué, Salif Sané, Kalidou Koulibaly e Youssouf Sabaly; Ismaila Sarr, Pape Ndiaye (Cheikhou Kouyaté) , Gana Gueye e MBaye Niang (Moussa Konate); Sadio Mané; Mame Diouf (Cheikh NDoye). Técnico: Aliou Cisse

ÁRBITRO: Nawaf Shukralla

CARTÕES AMARELOS: Grzegorz Krychowiak, Salif Sané, Gana Gueye

PÚBLICO: 44.190 torcedores.

LOCAL: Estádio Spartk, em Moscou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.