Emmanuel Dunand/AFP
Emmanuel Dunand/AFP

Senegal e Colômbia jogam 'mata-mata' por vaga nas oitavas de final

Seleções se enfrentam na Arena Samara nesta quinta-feira, às 11 horas

Fernando Arbex, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

28 Junho 2018 | 00h00

Senegal e Colômbia vão entrar em campo às 11 horas (de Brasília) desta quinta-feira, na Arena Samara, em Samara, para um duelo com ares de mata-mata pela terceira e decisiva rodada do Grupo H da Copa do Mundo. As duas seleções disputam duas das três vagas em jogo na chave, enquanto que o Japão vai enfrentar a já eliminada Polônia na outra partida.

+ Cissé crê em vaga e diz que Senegal não vai jogar para empatar com a Colômbia

+ Otimista, Pékerman não pensa em eliminação da Colômbia: 'Viemos fazer mais'

Senegal tem quatro pontos após vencer na estreia a Polônia por 2 a 1, no Spartak Stadium, em Moscou, e empatar por 2 a 2 contra o Japão, no último domingo, em Ecaterimburgo. À seleção senegalesa basta empatar para alcançar as oitavas de final e repetir o feito do país em 2002, quando passou de fase na primeira vez que disputou um Mundial e só parou nas quartas de final.

Se conquistar a classificação, Senegal será a única seleção representante da África a disputar o mata-mata do Mundial na Rússia. A última vez que nenhuma equipe do continente conseguiu passar da fase de grupos foi em 1982, na Espanha, quando Argélia e Camarões sofreram eliminações precoces.

 

"Temos a motivação para fazer ainda mais história, vamos para o campo com a determinação de nos classificarmos. É difícil nos derrotar", garantiu o treinador Aliou Cissé em entrevista coletiva de imprensa nesta quarta-feira. O técnico jogava no meio de campo da seleção de 2002, que no Mundial disputado na Coreia do Sul e no Japão ficou conhecida pelas danças típicas do país. "É um aspecto cultural importante do nosso povo", disse o senegalês, que vê os seus comandados repetirem as coreografias em 2018.

A Colômbia sofreu um revés inesperado na estreia para o Japão, por 2 a 1. Em Saransk, o volante Carlos Sánchez foi expulso logo aos três minutos do primeiro tempo, em lance de mão na bola que virou pênalti convertido pela equipe adversária. Os colombianos se recuperaram da derrota com um triunfo por 3 a 0 sobre a Polônia, no último domingo, em Kazan.

Os três pontos significam que a seleção do treinador argentino José Pékerman não pode perder a partida. Se empatar, precisa torcer por uma derrota do Japão para a Polônia e aí a vaga seria decidida nos critérios de desempate. "Não nos passa pela cabeça sermos eliminados", afirmou o técnico, que comandou a seleção colombiana que alcançou as quartas de final em 2014, no Brasil.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.