Lucas Jakcson|Reuters
Lucas Jakcson|Reuters

Sentença de Marin é adiada para final de maio

Defesa conseguiu que pedido fosse aceito; objetivo é anular julgamento que o condenou por corrupção

Jamil Chade, correspondente do Estado, O Estado de S.Paulo

03 Março 2018 | 04h35

GENEBRA – Atendendo a um pedido dos advogados de José Maria Marin, a Corte do Brooklyn adiou o anúncio da sentença do ex-presidente da CBF para o dia 30 de maio. O objetivo da defesa é ainda a de conseguir que o julgamento que o condenou por corrupção seja anulado. 

Inicialmente, a sentença seria conhecida no dia 4 de abril. No caso do ex-presidente da Conmebol, Juan Napout, a sentença ficou adiada para 11 de junho. Até la, ambos aguardam na prisão do Brooklyn

Na sexta-feira passada, 23, a promotoria americana indicou os motivos pelos quais rejeita os argumentos dos advogados de Marin para anular o julgamento. Em dezembro, ele havia sido condenado por seis crimes por uma corte de Nova Iorque e, desde então, aguarda sua sentença em uma prisão americana. O Ministério Público americano o acusou de ter recebido US$ 6,5 milhões em propinas, em troca de contratos para eventos como a Copa América, Libertadores e Copa do Brasil. 

+++ Após infância pobre, Marin virou milionário com política e futebol

O argumento do brasileiro era de que os promotores que apresentaram o caso não mostraram provas concretas de que Marin teria de fato recebido dinheiro em troca de oferecer contratos a empresas de televisão e marketing. Para os advogados de Marin, não existe prova de que um pagamento tenha sido retribuído com os contratos. Portanto, a relação criminosa não seria estabelecida. 

O Estado apurou que a defesa de Marin apresentará ainda respostas aos comentários dos promotores até o dia 19 de março.

+++ Condenado por seis crimes, Marin pede novo julgamento

Ainda assim, para os promotores, o que o julgamento mostrou é que as provas contra o brasileiro são “devastadoras”. Isso inclui testemunhas, roteiro de pagamentos e dados sobre compras de mais de US$ 20 mil em lojas de luxo em Paris e US$ 50 mil em Las Vegas. 

Para completar, o Departamento de Justiça rejeita a tese de que o material e provas retiradas dos cofres de Kleber Leite no Rio de Janeiro não foram autenticados. Nos documentos encontrados no cofre estava uma anotação feita à mão indicando o pagamento de R$ 1 milhão para “MPM”. A sigla era usada para designar Marco Polo e Marin. 

Del Nero

O adiamento da sentença ainda dificulta o trabalho da Fifa que aguardava uma posição da Corte para definir qual seria a punição ao presidente afastado da CBF, Marco Polo Del Nero. Suspenso, ele aguarda uma decisão por parte da Fifa, o que teria de ser anunciado no máximo até o final de maio. 

Del Nero, durante o julgamento de Marin, foi amplamente citado em esquemas de recebimento de propina. Ele nega qualquer envolvimento e garante que é inocente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.