Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Sentindo-se 'em casa', Fred quer manter média de gols no Mineirão

Atacante já fez 47 jogos no estádio e marcou 41 gols

ROBSON MORELLI - Enviado especial, Agência Estado

25 de junho de 2013 | 14h36

BELO HORIZONTE - Palco do jogo desta quarta-feira entre Brasil e Uruguai, pela semifinal da Copa das Confederações, o Mineirão voltará a cruzar o destino de Fred. Mineiro de Teófilo Otoni, o atacante retornará ao estádio, agora remodelado para receber principalmente as partidas da Copa do Mundo de 2014, disposto a manter a ótima média de gols que ostenta no principal campo de Minas Gerais.

Fred já jogou 47 vezes no Mineirão, onde acumulou um total de 41 gols. Foram dois pelo América-MG, 36 pelo Cruzeiro e três pelo Fluminense, o que resulta em uma ótima média de 0,87 gol por jogo. Ao comentar o assunto, em entrevista coletiva concedida nesta terça, em Belo Horizonte, o jogador não escondeu a empolgação com a chance de repetir o faro artilheiro no local.

"Sem dúvida eu me sinto em casa aqui, sou mineiro, joguei no América e no Cruzeiro, cansei de jogar no Mineirão, e passei por grandes momentos jogando no estádio. Espero fazer mais gols, para o dia ser ainda mais especial com a camisa da seleção", ressaltou o atacante, lembrando que contará com apoio de familiares e amigos no estádio.

"Minha família toda vai estar lá, minha filha, meu pai, meu irmão, meus amigos próximos. A única pessoa que não poderá ver será a minha mãe, que vai ver ''de camarote''. Ela era apaixonada por futebol. Acompanhava o meu pai e o meu irmão quando eles jogavam. Seria um orgulho ela ver o filho dela fazendo gols no Mineirão", disse Fred, emocionado, ao lembrar de sua mãe, Giselda, que morreu quando ele tinha apenas sete anos de idade. "Perdi minha mãe muito cedo, com sete anos, mas ela me passou muitas coisas boas. Era uma mulher muito simples, de muito caráter... E onde ela estiver hoje ela vai estar feliz."

Fred ainda disse não temer qualquer pressão extra por parte dos torcedores do Atlético-MG pelo fato de que Jô estará no banco de reservas, aguardando uma chance de entrar no time após ter marcado gols nos dois primeiros jogos desta Copa das Confederações.

"Joguei no América, no Cruzeiro, são duas torcidas pelas quais tenho carinho especial e meu respeito pela torcida do Atlético é muito grande. E sinto isso quando venho a Minas. Se tratando de uma decisão, os torcedores vão apoiar todos os jogadores que estiverem aqui. Vai ser uma grande festa", aposta.

PROTESTOS

Já ao falar sobre os protestos que já estão programados para acontecer do lado de fora do estádio nesta quarta, quando manifestantes deverão voltar a marcar presença em grande número pelas ruas da capital mineira, Fred disse encarar o fato com naturalidade, mas fez uma ressalva importante.

"Em relação aos protestos, nós jogadores já falamos muito sobre isso. Sou completamente a favor, o povo brasileiro é tão sofrido, e tudo que reivindica é justo. Porém, quebrar a cidade, vandalismo, isso não é uma coisa legal. Espero que seja uma manifestação pacífica, sem quebra-quebra e confrontos com a polícia", ressaltou. "A previsão é de manifestação bem forte amanhã (quarta). A gente pede é que todos estejam unidos e que todos façam um canto só de empurrar a seleção brasileira", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.