Wander Roberto/Divulgação
Wander Roberto/Divulgação

'Ser capitão da seleção é um sonho', diz David Luiz

Zagueiro revelou objetivo de 'auxiliar os outros' em seu trabalho como jogador de futebol

Almir Leite, Enviado Especial de O Estado de S. Paulo

24 de março de 2013 | 13h21

LONDRES - O zagueiro David Luiz deixou o futebol brasileiro muito cedo e só passou a ser mais bem observado pelo torcedor depois que passou a ser convocado para a seleção brasileira. Em pouco tempo, ganhou admiradores pelo talento e alguns críticos, que acham que às vezes ele deveria "jogar feio" para não complicar a vida das equipes que está defendendo. Uma coisa, porém, praticamente todo mundo admite: seu espírito de liderança.

Esse espírito levou Felipão a escolher David Luiz como um dos três capitães da seleção. Contra a Itália, ele usou a braçadeira. Talvez repita a dose nesta segunda-feira contra a Rússia, embora, pelo rodízio, a vez parece ser de Thiago Silva - o outro capitão será Fred. Para o zagueiro do Chelsea, a tarja significa a realização de um sonho.

"Para mim, é um orgulho e um privilégio. Um dos objetivos da minha carreira é ser um jogador que possa auxiliar os outros. Claro que a seleção e os jogadores são muito mais do que uma faixa no braço", disse o jogador, antes do treino deste domingo, realizado em Stamford Bridge, o local da partida com a Rússia. "Mas fomos indicados para tentar equilibrar, orientar, ver posicionamento. Ser capitão da seleção é um sonho que estou realizando."

Dentro de campo, uma de suas atribuições de David Luiz será orientar os jogadores dos outros setores da equipe, como Neymar, que ele citou nominalmente. "Como os atacantes jogam de costas para o jogo, posso colaborar."

David Luiz diz sentir-se muito à vontade com Felipão. "Ele é aberto, dá liberdade para a gente expressar o que pensa, se precisar, conversamos o dia todo", exagerou para exemplificar como é tranquilo o convívio com o treinador.

Mesmo sem ter um convívio muito grande com a torcida brasileira, o capitão também trabalha para angariar apoio à seleção e até concorda com as críticas que o time vem recebendo. "O torcedor só cobra porque ama a seleção. Se não cobrasse, aí sim a gente deveria ficar preocupado. Mas tenho certeza de que vamos conquistar o torcedor até a Copa e isso vai ser um diferencial a nosso favor."

Ele também defendeu veementemente Felipão das perguntas que buscavam explicação para a pálida passagem pelo Chelsea - o treinador foi boicotado por vários jogadores e acabou ficando pouco tempo no futebol inglês.

"O que ouço falar aqui dentro, internamente, é que Felipão é um grande profissional, que teve bons momentos aqui apesar da rápida passagem", disse David Luiz, que não estava no Chelsea na época em que o brasileiro comandou o time. "Ele deixou amigos aqui, independentemente de qualquer coisa, e por isso pode voltar com dignidade."

Jogar com a camisa da seleção brasileira em Stamford Bridge é "especial" para o zagueiro do Chelsea. "Vai ser especial de jogar pela seleção em casa, mas não vamos sair do foco, que é vencer jogando pela seleção."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.