Ser o azarão não assusta o Ituano

O clima de "já ganhou" que parece ter contagiado o São Paulo não preocupa em nada o Ituano para a final do Superpaulistão, quinta-feira, às 16 horas, no Morumbi. Pelo contrário, o atual campeão paulista reforça sua disposição de disputar a final como azarão. O técnico Ademir Fonseca, em parte, até dá razão ao entusiasmo do adversário. "Eles vão jogar em casa e com o apoio da torcida. Então é natural que estejam confiantes. Mas também acredito muito no meu time, que correspondeu plenamente nos três jogos (dois contra o Corinthians e outro contra São Paulo) do Superpaulistão. O clima no estádio Novelli Junior é de muita tranqüilidade. O time treinou em dois períodos e está definido com o retorno assegurado do volante Everaldo, que cumpriu suspensão automática. A sua volta deixa o time mais forte na marcação, mesmo porque Tita, que vai para a reserva, tem características mais ofensivas. Fonseca discorda que o time atuará mais na defesa. "O Everaldo vai proteger mais os zagueiros e também facilitar os avanços dos laterais", argumenta o técnico. Ele também já espera uma marcação especial em cima do lateral-esquerdo Lúcio, destaque do time nos últimos jogos. "Não podemos depender apenas de um jogador. Acima de tudo, o Ituano tem seu poder de conjunto." O empresário Oliveira Junior quer evitar que o assédio de outros clubes sobre seus jogadores possa interferir na decisão. "Trabalhamos no esquema profissional, mas agora nosso único objetivo é o título. As propostas nós vamos estudar depois deste jogo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.