Divulgação/Kashima Antlers
Divulgação/Kashima Antlers

Serginho agradece Zico por poder jogar Mundial pelo Kashima Antlers

Meia diz estar feliz por representar o Brasil na competição que acontece nos Emirados Árabes

Estadão Conteúdo

10 Dezembro 2018 | 19h09

Nenhum clube brasileiro participará da edição de 2018 do Mundial de Clubes da Fifa - o River Plate foi o campeão da Copa Libertadores -, mas o País estará representado por alguns jogadores na competição que começará nesta quarta-feira em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos. Um destes atletas é o meia Serginho, que defende o Kashima Antlers, vice-campeão de forma surpreendente há dois anos - perdeu a final, apenas na prorrogação, para o Real Madrid de Cristiano Ronaldo.

"Estou muito feliz por ser um representante do Brasil no Mundial de Clubes. O Brasil tem uma história muito grande na competição. Quase tivemos dois times na final da Libertadores. Mas comigo, Leo (Silva), Leandro e os grandes brasileiros do Real Madrid (Casemiro, Marcelo e Vinícius Junior), o Brasil será bem representado", disse Serginho, em entrevista publicada no site oficial da Fifa nesta segunda-feira.

Para poder jogar este Mundial de Clubes, Serginho faz questão de agradecer, e muito, um ídolo do futebol brasileiro: Zico. O meia começou 2018 no banco de reservas do Santos dirigido pelo técnico Jair Ventura. Sem chances de jogar, foi emprestado ao América-MG, onde foi titular no Campeonato Mineiro e no início do Campeonato Brasileiro.

Foi aí que apareceu Zico. Logo na segunda rodada, o América-MG enfrentou o Flamengo, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, e o ídolo rubro-negro assistiu ao jogo. Como é diretor técnico do Kashima Antlers, começou a acompanhar o seu futebol e o indicou para ser contratado na janela de transferências internacionais do meio do ano.

"Fui recomendado por um ídolo como o Zico. Três meses depois de ter assinado contrato com o Kashima, ganhamos a Liga dos Campeões da Ásia e agora, incrivelmente, vou jogar o Mundial de Clubes. Minha vida mudou bastante", afirmou o brasileiro, que marcou cinco gols em seis jogos na competição asiática. "Sempre fui mais de dar assistências, mas neste ano tentei chutar mais e comecei a marcar mais gols. Isso deu mais confiança".

O Kashima Antlers estreia neste sábado contra o Chivas Guadalajara, do México, pelas quartas de final, e se passar enfrentará o Real Madrid, nas semifinais. "Vai ser um jogo muito difícil. Não conhecemos muito do time mexicanos, mas vamos estudá-los bastante nesta semana. Se passarmos, pegaremos o Real Madrid e aí vou realizar dois sonhos de uma vez só", completou Serginho.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.