Serginho morreu em campo, diz médico

O zagueiro Serginho, do São Caetano, morreu no gramado do Morumbi e não no Hospital São Luiz, como foi anunciado ontem. A afirmação foi feita na noite desta quinta-feira pelo médico ortopedista Joaquim Grava que há aproximadamente 25 anos trabalha com medicina esportiva e hoje integra o corpo médico do próprio Hospital São Luiz. Grava - que trabalhou em clubes como o Corinthians e também na Seleção Brasileira - é categórico. ?O óbito foi constatado no hospital, mas ocorreu no Morumbi?, disse ele. Joaquim Grava diz que os médicos que realizaram o atendimento só não admitiram a morte de Serginho ainda no estádio, por uma questão ética. ?Na medicina é assim. Sempre se tenta até o último recurso, mas que ele morreu em campo não há a menor dúvida?, acrescentou. Grava esteve no hospital assim que Serginho foi internado. ?Fui lá, mais para dar apoio pessoal e emocional que técnico?, contou. Oficialmente, o jogador deu entrada no hospital às 22h05 e morreu às 22h45.O médico não quis comentar as evidências segundo as quais o jogador sabia que tinha problemas cardíacos. ?Eu não tinha ouvido falar sobre isso, mas porque o Silvio Luis (o goleiro do São Caetano) iria falar? Ele não ia inventar. Será que todo mundo no São Caetano sabia, menos o Serginho?. Acho pouco provável?. finalizou.Em declarações à Rádio Joven Pan, o médico do Instituto do Coração (Incor), Martino Martinelli, admitiu que o jogador poderia mesmo ter um um problema cardíaco.Comentou-se ainda na noite de quarta-feira que o São Caetano teria exigido que Serginho assinasse um termo de responsabilidade para continuar jogando. A diretoria do clube nega.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.