Sérgio estuda opções, com a confirmação de jogo de Campinas

Técnico da Ponte vai escolher os substitutos dos suspensos de acordo com as 'vantagens' do campo

Redação

22 de abril de 2008 | 12h58

Com a confirmação de que o Estádio Moisés Lucarelli vai receber a primeira partida da final do Campeonato Paulista, no domingo, às 16 horas, o técnico Sérgio Guedes confirmou que começa a trabalhar a formação do time titular da Ponte Preta de acordo com as características dos jogadores e do campo. Ele quer aproveitar ao máximo o fato de jogar num gramado que seu time já conhece.Veja também: Majestoso e Palestra Itália confirmados na final do Paulistão Luxemburgo prega respeito na final contra a Ponte Vote: qual time vai ser o campeão de 2008?"A gente agora deve fazer os trabalhos direcionados para este jogo, por conhecermos o campo. Estamos discutindo as situações, ver o que esperar do Palmeiras, direcionar mais para a parte tática do que técnica porque já conhecemos o que o nosso time pode render. Temos um elenco bom, a rapaziada tem jogado bem, e estão todos determinados a reverter uma vantagem que o Palmeiras tem", discursa o técnico, em entrevista à rádio Jovem Pan.Essa preocupação e avaliação detalhista do grupo se deve aos cinco desfalques que o time terá. Eduardo Arroz está suspenso por ter sido expulso no último jogo, contra o Guaratinguetá. À princípio Raulen é quem deve ser seu substituto. O zagueiro e capitão César está suspenso pelo terceiro cartão amarelo recebido e João Paulo é quem deve substituí-lo.A maior possibilidade de mudança está no meio-campo. Como o meio-campista Renato, artilheiro do time com 8 gols, também está suspenso pelo terceiro cartão amarelo, existe a possibilidade do técnico escalar o volante Rafael Ueta ou Ricardo Conceição (que voltaria), ou até mesmo colocar Luis Ricardo, um meia avançado, formando o ataque com Wanderlei e Danilo Neto.CAMISA NÃO DECIDESérgio disse ainda que não acredita que o fato do Palmeiras ter mais títulos tenha vantagem na disputa por causa disso. Resumindo: camisa não ganhará o jogo. "O que define [a força da camisa] é como o atleta preenche essa camisa. Existe uma certa vantagem ao Palmeiras porque estão mais habituados a chegar, e é isso que estamos tentando estabelecer aqui. Penso que os jogadores aqui estejam muito focados em fazer parte da história da Ponte". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.