Sérgio: humildade e perseverança

Mesmo tendo a chance de jogar pouco nos últimos anos, Sérgio é considerado um jogador estratégico dentro do elenco do Palmeiras. Nesta Copa dos Campeões, atuou bem nas três partidas da primeira fase, mas deve retornar ao banco de reservas neste domingo contra o Fluminense em Teresina. Acostumado com a situação, Sérgio não se rebelou, preferindo valorizar a possibilidade de conviver com o titular Marcos no dia a dia."Quando ele chegou aqui em Teresina, após ser campeão mundial pela Seleção Brasileira, o ambiente mudou. O Marcão é muito importante porque está passando experiência a vários jogadores jovens que disputam aqui a primeira competição de suas vidas".O próprio Marcos sente-se constrangido quando fala do amigo, de quem um dia foi reserva em meados da década de 90. Semana passada, em uma conversa informal com os jornalistas no saguão da concentração, revelou que Sérgio é um dos maiores goleiros do país. Mas a disputa pela posição fica restrita apenas aos treinamentos e jogos. Ambos se associaram recentemente para empresariar a dupla sertaneja Sandro e Alex, cantores da cidade paulista de Piracicaba que devem lançar nos próximos meses o primeiro CD da carreira."O importante é que o Vanderlei Luxemburgo tem confiança no meu trabalho. Isso ele já me disse várias vezes. Volto para o banco de reservas tranqüilo, no momento que a chance aparecer novamente estarei à disposição", esclarece Sérgio, um dos jogadores mais calados do grupo, que raramente participa das brincadeiras que envolvem os jogadores.Nos últimos dias, o goleiro ganhou uma atenção especial da mídia depois do anúncio de que o Santos estaria interessado em levá-lo para a Vila Belmiro para a disputa do Campeonato Brasileiro. Mesmo estando na reserva evitou tirar proveito da situação. "Sinceramente, não gostaria de tocar nesse assunto. Muitas especulações surgem antes das competições, mas proposta alguma chegou ao meu conhecimento até o momento".Por outro lado, após 13 anos no Parque Antártica, Sérgio não descarta a possibilidade de respirar novos ares. "Mas eu gostaria de mandar um recado à torcida do Palmeiras. Se sair, quero deixar as portas abertas. Na vida temos que ver o nosso lado, e eu sei que neste momento é inviável uma briga com o Marcos pela condição de titular." O goleiro mostra estar consciente de seu atual estágio dentro do clube. "Eu sabia que não seria mantido até o final da Copa dos Campeões. Mas não vejo demérito nenhum em ser reserva de um jogador que acabou de conquistar uma Copa do Mundo e tem um padrão internacional. O Marcos é um amigo sincero, jogamos aberto um com o outro e jamais tivemos problemas. Sempre entrei em partidas decisivas e a torcida não tem motivos para reclamar de mim".O clima amistoso é perceptível também nas declarações de Marcos. Desde que chegou a Teresina, jamais falou como dono da camisa 1, condicionando o seu retorno ao time à opção do treinador. "Eu não sou o goleiro da Seleção Brasileira, fui goleiro da Seleção na Copa do Mundo. Aqui no Palmeiras a situação é a mesma. Não quero atrapalhar o trabalho de ninguém".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.