Sérgio quer deixar o Palmeiras

O goleiro Sérgio, do Palmeiras, não quer mais o banco de reservas, mas sabe que dificilmente conseguirá ganhar a posição de Marcos, titular da seleção brasileira. Por isso, admitiu nesta quarta-feira que espera ansiosamente por uma proposta para deixar o Palestra Itália. Um dos interessados é a Ponte Preta. O clube de Campinas, porém, não vive situação financeira confortável para lhe oferecer um bom salário. "Esperamos qualquer proposta concreta para a diretoria, para podermos conversar", afirmou Sérgio, que descansa em seu apartamento, em São Paulo.O goleiro renovou contrato no início do ano. Seu vínculo com o Palmeiras termina no início de 2003. Mesmo assim, ele espera ter o passe vendido. Não quer ser emprestado novamente, como ocorreu em anos anteriores, quando defendeu, por exemplo, Vitória-BA e Portuguesa. Se permanecer, deverá ter várias oportunidades de entrar em campo no segundo semestre, porque Marcos passará o mês de julho com a seleção na disputa da Copa América e jogará também nas Eliminatórias. Essa situação, contudo, não o comove. "Sei que vou entrar quando o Marcos estiver na seleção, mas posso fechar o gol que quando ele retornar ao time eu vou voltar para o banco", ressaltou. "Não vou conseguir ter uma seqüência."Sérgio, 30 anos, foi um dos responsáveis pela classificação do Palmeiras para a Libertadores deste ano. Com grandes atuações na Copa dos Campeões de 2000, ele ajudou o time a conquistar o título do torneio, que dá ao vencedor uma vaga na competição sul-americana. Na ocasião, Marcos estava se recuperando de uma cirurgia na mão.Em conversas reservadas, conselheiros do Corinthians dizem que Sérgio é melhor do que o titular corintiano, Maurício. Ninguém, porém, conseguiu convencer o presidente Alberto Dualib a assediar o palmeirense. No início de 2001, os dirigentes do clube tentaram levar Marcos para o Parque São Jorge. Apesar de ser reserva atualmente, Sérgio ainda sonha com a seleção e acredita que só terá chance se deixar o Palmeiras. "Se isso acontecer, vou poder mostrar serviço e voltar a ser lembrado para a seleção."Alex - O meia negou nesta quarta-feira, em entrevista à Rádio Bandeirantes, boatos que surgiram no Palmeiras de que ele e o volante Galeano teriam exigido a escalação do atacante Juninho no jogo contra o Boca Juniors, semana passada. "Não acredito que a história tenha surgido da diretoria. Se eles quiserem que eu saia, não precisam disso. É só me mandarem embora."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.