Alejandro García/EFE
Alejandro García/EFE

Sergio Ramos espera 'vingança' da Espanha contra o Brasil na Copa

Na final da Copa das Confederações, realizada no Maracanã, a seleção espanhola perdeu por 3 a 0

Agência Estado

22 de janeiro de 2014 | 14h17

ZURIQUE - A contundente vitória da seleção brasileira na decisão da Copa das Confederações de 2013, por 3 a 0, parece não ter saído da cabeça dos jogadores da Espanha, que acabaram com o vice-campeonato. O zagueiro Sergio Ramos, por exemplo, não escondeu o desejo de vingar-se do time brasileiro e, de preferência, já na Copa do Mundo deste ano, que acontecerá justamente no País.

"A beleza do futebol é que você sempre tem a chance de se vingar, e isso te estimula, apesar de você nunca saber bem quando a oportunidade virá. Precisamos estar prontos para o caso de termos que enfrentar o Brasil de novo, aí então, de alguma forma, tentar batê-los e puni-los, algo que não fomos capazes de fazer no ano passado", declarou, em entrevista ao site da Fifa.

Na final de 2013, realizada no Maracanã, a seleção espanhola entrou com certo favoritismo, já que havia conquistado as últimas duas Eurocopas e a Copa do Mundo da África do Sul, em 2010. Mesmo assim, o Brasil não tomou conhecimento do adversário, foi amplamente superior e venceu com os gols de Fred (duas vezes) e Neymar. Até hoje, Sergio Ramos procura explicações para aquela derrota.

"É preciso encarar fatos às vezes e eles foram merecedores da vitória. Nós precisamos aprender com aquela derrota. Talvez não tenhamos ido para o jogo do melhor jeito, fisicamente não estávamos no auge e eles estavam em grande forma, jogando um ótimo futebol. Ficamos em desvantagem numérica (Piqué foi expulso no segundo tempo) e isso contribuiu para a margem da derrota. Mas sem desculpas. Eles foram melhores e mereceram vencer", admitiu.

Um reencontro já garantido para a Espanha na Copa do Mundo deste ano acontecerá na primeira fase. A equipe de Vicente Del Bosque caiu no Grupo B, o mesmo da Holanda. Os dois países se enfrentaram na decisão do Mundial de 2010, e os espanhóis saíram vencedores por 1 a 0, na prorrogação, conquistando seu primeiro título do torneio.

"O jogo trará muitas memórias. Durante os anos enfrentamos muitos times, mas com a Holanda é um pouco diferente por causa dessa final. No papel eles são um dos favoritos. Quando acontece o sorteio dos grupos, você espera adversários menos desafiadores, mas é preciso respeitar todos os times, e como campeões do mundo devemos bater todo mundo", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.