Série B do Brasileiro ganha entidade

A nova entidade representativa dos clubes brasileiros, a Futebol Brasil Associados, formada por integrantes da Série B do Campeonato Brasileiro, foi fundada oficialmente nesta sexta-feira, num hotel de luxo no centro da capital paulista. E surge acompanhada da expectativa de organizar e promover a mais importante temporada da Segunda Divisão em 2003. O presidente eleito por aclamação, Peter Silva, disse aos companheiros que vai levar, pelo menos, R$ 20 milhões aos seus 20 associados. Segundo ele, já existem duas emissoras de televisão interessadas na transmissão dos jogos. Neste ano, os clubes dividiram a modesta quantia de R$ 2 milhões pagos pela Sportv - canal fechado. A maior fonte de renda dos clubes, atualmente, é proveniente da TV, mas o dirigente acha ser possível criar outras alternativas dentro da área do marketing esportivo para aumentar a arrecadação. "A formação da entidade era uma necessidade organizacional dos clubes", comentou Peter Silva, lembrando que os clubes rebaixados da Série A - Palmeiras, Portuguesa, Botafogo-RJ e Gama - vão deixar a competição "ainda mais atrativa para o público e rentável". A reunião definiu a diretoria e aprovou o estatuto da entidade. Um de seus artigos determina que o presidente não seja presidente de nenhum clube participante. O primeiro a assumir o cargo é Peter Silva, diretor de marketing do Londrina-PR, que foi aclamado por representantes de 19 clubes denominados de fundadores. Apenas o Gama-DF, rebaixado este ano, não enviou nenhum representante à reunião. O Sport Recife, até então, era o único clube da Série B que fazia parte da Clube dos 13. Agora ele tem a companhia de outros três: Palmeiras, Portuguesa e Botafogo-RJ. A primeira ação prática da entidade será a reunião do Conselho Arbitral da Série B marcada para dia 18, quarta-feira, no Rio de Janeiro, onde a entidade terá uma sub-sede. A sede principal ficará em São Paulo. Foram eleitos cinco vice-presidentes, uma para cada região do país. José Licínio Araújo, do Clube do Remo, representa a região Norte; Eduardo Serrano da Rocha, do América-RN, o Nordeste; Paulo Diniz, do Vila Nova, o Centro-Oeste; Alexandre Farias, do América-MG; José Nilson Zunino, do Avaí-SC, a região Sul. O Conselho Fiscal é formado por Luiz Estevão, do Brasiliense-DF; Paulo Calheiros, do Ceará-CE e Eduardo Palhares, do Paulista-SP. O tesoureiro é José Cabral, do CRB-AL e o secretário geral é José Mário Pavan, do União São João de Araras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.