Divulgação|Náutico
Torcida do Náutico invadiu o gramado do estádio para comemorar o acesso Divulgação|Náutico

Torcida do Náutico invadiu o gramado do estádio para comemorar o acesso Divulgação|Náutico

Série C consagra acesso de times do Nordeste e premia bom momento da região

Estádios cheios e rivalidade local vão dar o tom da fase final do campeonato

Ciro Campos , O Estado de S. Paulo

Atualizado

Torcida do Náutico invadiu o gramado do estádio para comemorar o acesso Divulgação|Náutico

A reta final do Campeonato Brasileiro da Série C consagrou no último fim de semana o acesso de três times do Nordeste para a Série B do próximo ano com uma fórmula parecida de sucesso. Times competitivos, planejamento e um grande apoio da torcida ajudaram Confiança (SE), Sampaio Corrêa (MA) e Náutico (PE) a se juntarem ao Juventude (RS) como os quatro novos integrantes da segunda divisão nacional.

O Nordeste, casa de três dos quatro times promovidos, mostrou força ao longo da competição também com outras equipes. A partir do próximo fim de semana, as semifinais têm início com o encontro entre Confiança e Sampaio Corrêa. A outra semifinal terá Juventude e Náutico. Os confrontos serão decididos em duas partidas.

Das seis maiores médias de público desta Série C, duas pertencem aos promovidos Confiança e Náutico. O time pernambucano, aliás, conseguiu um acesso emocionante no último domingo na disputa por pênaltis contra o Paysandu (PA). Com gol no último minuto, polêmica e invasão em campo no estádio dos Aflitos, a equipe garantiu a vaga na semifinal e também o acesso.

Um dos segredos da campanha foi justamente jogar em casa. Após atuar de 2013 a 2018 na Arena Pernambucano, o time pernambucano decidiu retornar ao antigo estádio e fez de lá uma fortaleza. O local recebeu mais de 16 mil pessoas na partida decisiva contra o Paysandu. A vaga representa para o clube um alívio após anos de campanhas ruins e de pouco dinheiro em caixa.  

"O Náutico precisava sair da Série C. O Náutico não merece estar na Série C. A gente manteve a convicção e as atitudes por mais duras que tenham sido. A gente merecia. O Náutico merece o acesso por tudo", disse o vice-presidente do clube, Diógenes Braga, após o acesso.

A outra semifinal terá um encontro totalmente nordestino. O Confiança, animado pelo retorno à Serie B após 28 anos, vai encarar o Sampaio Corrêa. O time sergipano bateu o Ypiranga (RS) nas quartas de final e foi na volta, em Aracaju, com grande festa da torcida. O prefeito da capital, Edvaldo Nogueira(PCdoB), prometeu renovar o convênio firmado via Federação Federal Sergipana de Futebol para ajudar o clube.

"A presença de um time do Estado na Série B vai ajudar a economia, a divulgação da cidade, o turismo, porque durante um ano, teremos jogos aqui com times de outros estados, com cobertura de canais esportivos e nossa cidade ficará ainda mais conhecida", disse o prefeito. No sábado, às 17h, no Batistão, o time recebe o adversário maranhense pela abertura do confronto da semifinal. Os ingressos estão esgotados.

O Sampaio Corrêa teve homenagem semelhante após passar pelo time gaúcho do São José na fase anterior. A equipe teve em São Luís um encontro com o governador, Flávio Dino (PCdoB), no Palácio dos Leões. Agora com as festas encerradas, o time foca na disputa da semifinal para comemorar o retorno para a Série B como campeão nacional.  

"As comemorações terminaram, agora é manter o foco e pensar na sequência da competição. Queremos brigar pelo título, mas, para isso, precisamos tentar superar o Confiança, que é uma equipe forte, aplicada, e tem o mesmo objetivo", disse o atacante Salatiel Junior. O Sampaio Corrêa esteve pela última vez na Série B em 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

'O Confiança na Série B é um fato inédito', diz Daniel Paulista

Treinador da equipe exalta campanha do time sergipano, que conquistou o acesso de divisão

Entrevista com

Daniel Paulista, técnico

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

11 de setembro de 2019 | 15h30

O Confiança (SE) será uma das novidades no Campeonato Brasileiro da Série B no próximo ano. O técnico Daniel Paulista conduziu o time a se destacar na Série C, chegar à semifinal e garantir o acesso. Em entrevista ao Estado, o treinador contou sobre o trabalho durante a campanha e destacou a importância de classificar a equipe na segunda divisão nacional de uma maneira diferente das anteriores, quando disputou a competição ou como convidado ou pelo desempenho no Campeonato Estadual.

Qual foi o grande mérito do Confiança nesta Série C?

Fizemos uma equipe equilibrada. Como estou aqui desde o início do ano, isso é positivo. Pudemos cuidar do planejamento, das contratações e das modificações. Nosso time se planejou e se organizou para fazer uma competição boa na Série C.

O acesso à Série B chegou a ser uma surpresa?

Fizemos um planejamento pensando em etapas. Primeiramente era não cair para a Série D. Conseguimos. Depois, pensamos em buscar a classificação, o acesso e quem sabe o título. Nós conseguimos atingir todas as etapas deste planejamento.

Como você explica o futebol do Nordeste ter chegado com tanta força nesta reta final da Série C?

O futebol nordestino está crescendo nos últimos anos. Temos vários representantes nas Séries A, B e C. É uma região em que os clubes estão se organizando e adquirindo uma ótima estrutura para a cada ano crescer.

Como foi a festa pela classificação à semifinal?

Felicidade grande demais. A cidade ficou em festa. O Confiança na Série B é um fato inédito, porque das outras vezes que jogou a Série B foi através de convite ou pela forma de disputa do campeonato. Agora, conseguimos a vaga no campo. O futebol sergipano vive um momento de crescimento e conta com o apoio da prefeitura e do governo. Estamos todos muito felizes com a campanha.

O que foi mais difícil nessa campanha na Série C?

O clube tem uma dificuldade na parte financeira. Quando se vai planejar o elenco para enfrentar adversários tão competitivos, a gente sai muito atrás. Mas isso não pode ser considerado um obstáculo. Tivemos de trabalhar duro.

Dos quatro semifinalistas, quem você considera o favorito?

Está bastante equilibrado. Restaram as quatro melhores equipes da competição, as que tiveram o melhor futebol, com um estilo de jogo mais organizado. Todas merecem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.