Sevilla supera o Benfica nos pênaltis e fatura título da Liga Europa

Espanhóis tornam-se um dos maiores vencedores do torneio, enquanto clube português amarga jejum

AE, Agência Estado

14 Maio 2014 | 18h49

TURIM - Foi sofrido, nos pênaltis, mas o Sevilla se tornou nesta quarta-feira um dos maiores vencedores da história da Liga Europa. O time espanhol ficou no empate por 0 a 0 diante do Benfica, em Turim, e conquistou seu terceiro título da competição na penalidades. O goleiro Beto defendeu duas cobranças e se tornou o grande herói da conquista.

O troféu de 2014 se junta aos títulos de 2006 e 2007, fazendo com que o Sevilla se junte a Juventus, Inter de Milão e Liverpool como maior vencedor da competição, que era chamada de Copa da Uefa até 2009. Além disso, a Espanha garante os dois títulos dos torneios europeus desta temporada, já que a final da Liga dos Campeões, no próximo dia 24, será disputada entre dos times do país: Real Madrid e Atlético de Madrid.

Pelo lado do Benfica, fica mais uma vez a decepção pela manutenção do jejum. O tradicional clube português não fatura um título continental desde 1962, quando foi campeão da Liga dos Campeões. Desde então, perdeu as oito finais que disputou: cinco da Liga dos Campeões e três da Liga Europa, sendo a deste ano a segunda consecutiva, já que em 2013 também ficou com o vice ao perder na final para o Chelsea.

O JOGO 

O primeiro tempo foi extremamente equilibrado. O jogo era movimentado e o Benfica ficava mais com a posse de bola, mas o Sevilla respondia nos contra-ataques e chegava com perigo próximo ao gol de Oblak. Mesmo assim, as duas equipes pouco finalizaram e foram raras as chances de gol nos primeiros 45 minutos.

A primeira delas foi do Benfica, aos 13. Após cobrança de falta da direita, Beto espalmou. A sobra ficou com Garay, que tentou bater, mas acertou novamente o goleiro. Somente aos 45 o time português voltou a ficar perto de marcar. Maxi Pereira aproveitou cruzamento da esquerda e finalizou à queima-roupa, mas Beto mostrou reflexo para impedir o gol.

A etapa final começou totalmente diferente, com as duas equipes bem mais ofensivas e buscando a vitória. Tanto, que a primeira chance do Benfica saiu logo aos dois minutos. O atacante Lima foi lançado no contra-ataque, invadiu a área pela esquerda e bateu cruzado. A bola passou por Beto, mas a zaga afastou.

A partir daí o Sevilla tomou conta das ações, foi para cima e encurralou o adversário. Aos sete, Rakitic roubou a bola na intermediária e enfiou para Reyes, que bateu rente à trave. Aos 15, o mesmo Reyes recebeu cruzamento da direita e bateu de primeira, exigindo reflexo de Oblak.

Os últimos minutos voltaram a ser do Benfica, que chegava em lances com Lima. Aos 38, ele teve grande chance ao arriscar de fora da área, mas Beto fez grande defesa. Os portugueses ainda tiveram tempo de exercer uma pressão e viram Garay cabecear uma bola rente à trave.

Na prorrogação, a melhor chance foi do Sevilla, logo no início, em contra-ataque no qual Bacca foi lançado por Rakitic, arrancou, mas chutou para fora ao ficar de frente para o goleiro. Aos quatro minutos do segundo tempo, Gameiro recebeu lançamento e bateu, forte, mas para fora. O jogo iria mesmo para os pênaltis.

Foi aí que Beto se consagrou. Ele defendeu as cobranças de Óscar Cardozo e Rodrigo. Lima e Luisão até marcaram para o Benfica, mas Bacca, Mbia, Coke e Gameiro converteram todas as cobranças do Sevilla e garantiram o título para o time espanhol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.