Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Sheik fala em morder argentino, nega aposentadoria e prevê três semanas para jogar

Atacante garante que não pensa em parar em junho, quando termina seu contrato com o Corinthians

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

20 Janeiro 2018 | 11h00

Quando Emerson Sheik foi anunciado pelo Corinthians, o fato de fazer um contrato por apenas seis meses parecia ser um sinal de que o jogador, de 39 anos, estava propenso a aposentar após o fim do vínculo. Entretanto, ele garante que não pensa em pendurar as chuteiras e ainda quer jogar a Libertadores pelo time paulista.

+ Corinthians reserva duas vagas no Paulista para a chegada de reforços

"Eu venho com contrato de seis meses, mas a ideia é não ter aposentadoria daqui seis meses. Claro que muitas coisas podem acontecer, mas a ideia é não ter nada a ver com aposentadoria. Isso é lenda. Vim aqui para jogar e durante esse período eu vejo o que vou fazer no futuro", afirmou o atacante, que apesar de descartar a aposentadoria, nega que esteja pensando em permanecer no Corinthians até dezembro. "Penso em seis meses, que é o que eu tenho. Nesse período, vou dar o meu melhor para agradar a comissão técnica. Se eu vou continuar aqui ou não, é outra história". 

Com 39 anos e sem clube desde o fim do ano, Sheik ainda será avaliado pelos médicos e fisiologistas do Corinthians para definir um prazo para sua estreia, mas ele já fez uma projeção. "Me sinto geneticamente privilegiado. Tenho 39 anos e Papai do Céu foi bom comigo. Fiquei quase três meses sem atividade. No começo do ano, eu estava com um personal (trainer, professor de Educação Física particular), que é completamente diferente de treinar com um time profissional. Quero jogar, sou peladeiro, no bom sentido. Talvez umas duas ou três semanas, mas isso é um pensamento meu. Eu sou atleta, não fisiologista e eles que vão decidir a data melhor. Eu quero jogar", afirmou. 

Um do objetivos do atacante é ir bem na Libertadores, torneio em que foi um dos destaques da equipe em 2012, quando o Corinthians foi o campeão. "Jogar na Libertadores pelo Corinthians é algo mágico. A única Libertadores que o clube ganhou eu participei e talvez isso tenha feito o torcedor gostar mais de mim. Vou me sentir privilegiado por jogar mais uma vez essa competição". Vale lembrar que a equipe estreia na competição continental no dia 28 de fevereiro, contra o Millonarios, da Colômbia.

 

Mais conteúdo sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.