Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Sidão culpa falta de comunicação e barulho do estádio por gol contra

Goleiro e zagueiro Anderson Martins se desentendem e propiciam lance estranho em empate com o Fluminense

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

03 Setembro 2018 | 11h00

Vaiado pela torcida após levar o gol do Fluminense neste domingo, o goleiro Sidão, do São Paulo, procurou explicar o lance depois da partida no Morumbi, que terminou empatada por 1 a 1 e valeu pelo Campeonato Brasileiro. Segundo o jogador, o gol contra de Anderson Martins foi fruto de falta de comunicação na hora de combinar quem deveria ir à bola para afastar o perigo.

O lance foi gerado por um lançamento longo de Sornoza. Sidão deixou o gol para fazer a defesa enquanto o zagueiro desviou para trás no intuito de recuar. A bola foi para o gol vazio. "Foi uma fatalidade. Estádio cheio, a comunicação fica difícil. Sai gritando que a bola era minha, eu que saio para fazer a cobertura quando a bola vem por trás, é como treinamos", explicou o goleiro.

Anderson Martins concordou com o colega."Foi um lance de infelicidade, acontece. Quem está na defesa tem que cortar a bola, aí tem falta de comunicação, estádio lotado. Isso acontece. Vamos ressaltar a entrega da equipe, que foi valente", disse. O São Paulo chegou ao empate com um gol de Tréllez, de cabeça.

O técnico da equipe, o uruguaio Diego Aguirre, defendeu os dois jogadores e evitou falar em erro. "Pelo que vi e pelo que falei com os preparadores de goleiro, o Sidão fez o que tinha de fazer: dar respaldo para a defesa. Ele foi na bola. Era isso. Infelizmente o Anderson Martins cabeceou. Faz parte, são coisas que acontecem. O Sidão fez um bom jogo", comentou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.