Rubens Chiri / São Paulo
Rubens Chiri / São Paulo

Sidão vê São Paulo faminto pelo título, mas pede pés no chão

'Da presidência ao porteiro, todo mundo quer ser campeão nesse ano', diz goleiro do líder do Brasileirão

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

21 Agosto 2018 | 11h00

Ter caído fora da Copa Sul-Americana na semana passada teve um lado negativo e um positivo para o São Paulo. Vendo pelo copo meio vazio, tratou-se da terceira eliminação em 2018. Por outro lado, o Campeonato Brasileiro, que o clube lidera, virou não apenas o único foco da temporada como uma espécie de obsessão dentro do Morumbi que serve de combustível para motivar o elenco.

"Não sei o que temos de diferente (em relação aos concorrentes), mas internamente há uma gana muito grande para conquistar o título. Fomos eliminados na semifinal do Paulista, saímos da Copa do Brasil precocemente e perdemos agora na Sul-Americana. Então, nossa gana só aumenta para conquistar um título pelo São Paulo. No nosso grupo, desde a presidência até o porteiro, jardineiro, todo mundo quer ser campeão nesse ano", afirmou o goleiro Sidão.

Apesar da euforia pelo título simbólico do primeiro turno confirmado depois da vitória de domingo sobre a Chapecoense, o jogador seguiu discurso ensaiado pela maioria do grupo e pediu calma: "A gente tem falado muito sobre manter os pés no chão, tem muita coisa pra acontecer. É ir jogo a jogo, buscar três pontos dentro e fora de casa", cobrou Sidão.

Na opinião do arqueiro, é difícil de fazer qualquer previsão para o segundo turno dada a imprevisibilidade do Brasileirão. "É um dos campeonatos mais difíceis do mundo. São 20 times que dão trabalho dentro e fora de casa, os resultados oscilam muito. Quem você acha que vai ganhar acaba perdendo, e vice-versa", analisou. 

O próximo desafio do time será nesta quarta-feira: às 19h30, visita o Paraná, no Estádio Durival Britto, em Curitiba, pela 20ª rodada. O técnico Diego Aguirre não tem nenhum jogador suspenso ou lesionado para essa partida.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.