Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Sidnei Lobo minimiza ausência de Dedé e exime zaga do Cruzeiro de culpa por gol

Time celeste foi derrotado pelo São Paulo neste domingo, por 1 a 0

Estadão Conteúdo

18 de novembro de 2018 | 22h26

"Tomar um gol desse, de bola parada, não dá nessa altura do campeonato". Este foi o lamento do meia Robinho ainda na saída do primeiro tempo da derrota por 1 a 0 para o São Paulo. De fato, a defesa do Cruzeiro só assistiu Diego Souza, livre, marcar o gol da vitória são-paulina, mas o momento da equipe mineira, até pelo cenário despretensioso que vive no Brasileirão, não é o de apontar culpados.

Mais uma vez, o time cruzeirense foi comandado pelo auxiliar Sidnei Lobo, já que Mano Menezes segue afastado por motivos de saúde. Questionado sobre o impacto da ausência do zagueiro Dedé, que está com a seleção brasileira, no desempenho defensivo, o interino minimizou a questão e defendeu a dupla formada por Manoel e Léo.

"Nós temos excelentes zagueiros atuando no Cruzeiro. O Dedé faz falta? É óbvio que faz falta. Mas não era em função ali do zagueiro, na verdade a bola foi alçada e ela foi muito no fundo e acabou surpreendo a nossa defesa", explicou o técnico sobre o lance do gol.

Sidnei também comentou sobre a possibilidade de fazer testes nas rodadas finais e de utilizar o atacante Sassá, que entrou no segundo tempo após cumprir oito jogos de suspensão. "É muito bom ele estar retornando. A partir de amanhã nós vamos começar a pensar a melhor formação", disse.

Sem pretensões por ter garantido vaga na Copa Libertadores ao conquistar o título da Copa do Brasil, o Cruzeiro é o oitavo colocado do Brasileirão, com 49 pontos. Na próxima quarta-feira, volta a campo para enfrentar o Vitória, às 21h45, no Mineirão pela 36.ª rodada.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCruzeiro Esporte ClubeDedé

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.