Silêncio na Vila sobre Giovanni

O assunto Giovanni foi mantido em absoluto sigilo na Vila Belmiro, depois da divulgação de que o Palmeiras também está tentando contratar o jogador que já teria acertado verbalmente sua volta ao Santos. O gerente de futebol Luiz Henrique de Menezes foi curto em seu comentário: "não falo sobre esse assunto". Mas os jornais já publicaram isso, insistiu um repórter e ele respondeu: "fique com a notícia do jornal".Fora isso, o dia foi de folga, depois da segunda vitória no Brasileiro Nesse jogo, o técnico Gallo promoveu a estréia do meia Luciano Henrique e acabou com o esquema de três volantes. "Ele vinha treinando bem, acompanhamos bem sua atuação no Atlético de Sorocaba, é um jogador maduro que vai nos ajudar muito", elogiou.O treinador comentou a substituição do meia quando o time estava com dez jogadores e colocou em seu lugar o atacante Fabiano: "estávamos com Fabinho e Ricardinho como volantes e Deivid e Robinho, por ser ainda primeiro tempo, estavam ainda descansados e poderiam fazer a função de meia. Então, ficamos com quatro jogadores no meio-de-campo e um outro de referência na frente".A alteração deu certo e em poucos minutos Fabiano ganhou a fama por ter marcado dois gols seguidos, que provocaram a virada no marcador e possibilitaram a segunda vitória no Brasileiro. Sobre o atacante, Gallo contou que desde que chegou pata dirigir a Portuguesa de Desportos tinha interesse no jogador. Quando se transferiu para a Vila Belmiro, deu a dica aos dirigentes e o atleta foi contratado.BÓVIO - O volante Bóvio comentou nesta segunda-feira ao chegar em Santos que ainda não tinha entendido sua expulsão no jogo contra o Coritiba. "Acho que foi injusto. Desde o primeiro momento achei que ele estava fazendo uma injustiça porque visei somente a bola e até poderia ter pego o jogador depois de ter tocado na bola, mas sem intenção alguma de machucar". Ele lamentou pelo fato de trabalhar a semana toda, ficar concentrado durante dois dias e "vem a pessoa fazer isso, que poderia prejudicar todo o trabalho".Para Bóvio, isso já passou: "vamos pensar na frente e esperar que esse tipo de situação não ocorra mais". Ele acha que não houve nem falta. "E o juiz deu o vermelho direto e, por isso, fico sem entender".Não vê, porém, má-intenção do árbitro, mas confessa que não entendeu."Gostaria de perguntar a ele qual foi o critério que ele usou para me expulsar. Não consegui entender isso ainda".Bóvio destacou o poder de superação de sua equipe e o companheirismo dentro de campo. "Isso foi fundamental para sairmos de lá com os três pontos". O volante comentou o lema que o time está adotando, de que treino é treino e jogo é guerra. "Todo jogo é uma final. Traçamos esse objetivo e desde o jogo contra o Danúbio tivemos uma base a buscamos o erro zero sempre".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.