Pierre-Philippe Marcou / AFP
Pierre-Philippe Marcou / AFP

Simeone alcança 500 jogos no comando do Atlético de Madrid com o 'Cholismo' em alta

Com estilo de jogo defensivo, argentino conquista títulos e se consolida como um dos maiores treinadores da história do clube

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2020 | 08h00

A partida contra o Getafe nesta quarta-feira, no Wanda Metropolitano, pelo Espanhol, será especial para Diego Simeone. O técnico argentino vai completar 500 jogos no comando do Atlético de Madrid. E o momento não poderia ser melhor: sua equipe lidera o campeonato.   

O ex-volante e ídolo do clube foi anunciado como treinador no dia 23 de dezembro de 2011. A estreia aconteceu no começo do ano seguinte, dia 7 de janeiro, no empate sem gols com o Málaga, fora de casa, pelo Campeonato Espanhol. Depois disso foram 499 partidas, com 300 vitórias, 118 empates e 81 derrotas, um aproveitamento de 68%.

Simeone só tem menos jogos no comando do Atlético de Madrid do que Luis Aragonés. O espanhol, no entanto, acumula quatro passagens pela equipe da capital espanhola, em um total de 677 partidas. O atual treinador da equipe tem tudo para se aproximar da marca porque renovou o contrato até junho de 2022. 

Sob o comando do argentino, o Atlético de Madrid conquistou sete títulos, sendo um Campeonato Espanhol (2013/14), uma Copa do Rei (2012/13), uma Supercopa da Espanha (2014), duas Liga Europa (2011/12 e 2017/18) e duas Supercopa da Europa (2012 e 2018).

Mais do que taças, Simeone definiu um modelo de jogo eficaz. Alguns gostam, outros criticam o 'Cholismo', como ficou conhecido o estilo de jogar do Atlético de Madrid por causa do apelido do treinador. Nas categorias de base do Vélez Sarsfield, ele era chamado de Cholito, que se tornou El Cholo anos depois. 

O Atlético de Madrid joga com muita intensidade defensiva, sufoca o adversário, o coloca em armadilhas em setores do campo, principalmente nas laterais, para surpreendê-los. De posse da bola joga, o time joga verticalmente, buscando o gol velocidade. A principal arma é o contra-ataque.

"O grande mérito de Simeone é neutralizar com perfeição as principais características dos adversários. Eu não desfruto vendo gente que se fecha", afirmou Xavi, ex-jogador do Barcelona, certa vez.

Apesar das críticas, os comandados do argentino entenderam o que era necessário para vencer e, por isso, o Atlético de Madrid hoje bate de frente com Barcelona e Real Madrid. Mais do que isso: continua atrás de conquistar pela primeira vez o título da Liga dos Campeões. A equipe enfrenta o Chelsea pelas oitavas de final.

"Estou muito feliz onde estou", definiu Simeone.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.