Reuters
Reuters

Simeone quer Atlético de Madrid mais competitivo em jogo decisivo com Liverpool

Técnico argentino cobra empenho do time para defender vantagem de vitória por 1 a 0 na partida de ida

Redação, Estadão Conteúdo

10 de março de 2020 | 16h02

O técnico argentino Diego Simeone sabe o que o Atlético de Madrid tem de fazer contra o Liverpool, atual vencedor da Liga dos Campeões da Europa e do Mundial de Clubes da Fifa, nesta quarta-feira, na Inglaterra, para avançar às quartas de final da competição continental: ser mais competitivo. Essa é a sua receita para eliminar o melhor time da atualidade, depois de ter vencido por 1 a 0 na ida, em Madri.

"Seguramente amanhã (quarta-feira) enfrentaremos um adversário muito forte, como tem mostrado nos últimos anos. Uma equipe protagonista com muitos recursos. É preciso fazer muito esforço para derrotá-los", disse Simeone em entrevista coletiva, lembrando da amarga experiência vivida na temporada passada contra a Juventus - vitória por 2 a 0, na Espanha, e eliminação na Itália com derrota por 3 a 0.

"Em Turim não pudemos jogar e não pudemos competir. A intenção amanhã (quarta-feira) é poder competir. Isso nos deixará mais perto da classificação. Na partida haverá uma hora que sofreremos, mas também acontecerão alguns contra-ataques importantes. Teremos que aproveitá-los", comentou o argentino.

O zagueiro brasileiro Felipe, titular do Atlético de Madrid, mostrou empolgação para o jogo e disse esperar um duelo equilibrado. "É um jogo de 'Champions' e acho que isso é uma motivação a mais porque todos os jogadores querem chegar a este nível e disputar uma competição como esta. Já joguei lá (no Anfield Road) duas vezes e sei como é. Mas estamos preparados", declarou o ex-jogador do Corinthians.

Felipe enfrentou o Liverpool duas vezes pela Liga dos Campeões quando ainda defendia o Porto. Em ambas foi eliminado: nas oitavas de final, em 2018, e nas quartas, em 2019. Desta vez, sua equipe tem a vantagem de ter vencido na ida.

"Nós temos uma vantagem de um gol, mas ainda temos 90 minutos. Eu acho que a chave é não sofrer. É um passo para a classificação. Sabemos como o Liverpool é forte em casa, com muitas qualidades ofensivas e defensivas. Se não sofrermos, estaremos mais perto da vitória", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.