Reprodução/instagram
Reprodução/instagram

Sindicato de jogadores cobra inquérito para investigar ataque ao ônibus da Ponte Preta

Entidade faz pedida para polícia apurar a identidade dos envolvidos em emboscada contra veículo do time campineiro

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2021 | 16h21

O Sindicato de Atletas Profissionais do Estado de São Paulo (Sapesp) entrou nesta quarta-feira com um pedido de inquérito para que a Polícia Civil investigue o ataque ao ônibus da Ponte Preta. Na última segunda-feira, o veículo que transportava os jogadores do time foi alvo de pedras e pedaços de pau na saída do estádio. Um dos jogadores teve ferimentos leves por causa de estilhaços de vidro.

Por causa do ataque feito por alguns torcedores, o Sapesp protocolou um pedido de inquérito no Drade (Delegacia de Polícia de Repressão aos Delitos de Intolerância Esportiva) para apurar a identidade dos envolvidos. "Repudiamos tal ação, a categoria deve ser respeitada e que os envolvidos sejam investigados", disse o coordenador jurídico do sindicato, Guilherme Martorelli.

O ataque realizado depois da derrota em Campinas para a Inter de Limeira por 1 a 0, pelo Campeonato Paulista, mexeu bastante com os jogadores. Nas redes sociais, vários deles se manifestaram revoltados e postaram em conjunto um comunicado. "Repudiamos veementemente as atitudes covardes que supostos 'torcedores' tiveram na saída do nosso ônibus após o jogo", escreveram. "Isso é inaceitável. Até quando teremos de lidar com ameaças absurdas no meio do futebol brasileiro? Basta!", diz o texto.

Com o ataque, o vidro de uma das janelas acabou sendo quebrado e os estilhaços acertaram o meia Vini Locatelli, que entrou no decorrer do segundo tempo. O jogador sofreu cortes no braço e no joelho esquerdo. Por causa disso, ele registrou boletim de ocorrência no 1º Distrito Policial de Campinas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.