Batatais/ Divulgação
Batatais/ Divulgação

Sindicato dos jogadores tenta paralisar o Paulistão, mas Justiça veta

Sapesp reclama que o regulamento prevê a perda de pontos e rebaixamento para os clubes que devem salários; Batatais e Santo André estão na lista

Estadao Conteudo

06 Fevereiro 2017 | 16h10

O Sindicato de Atletas Profissionais de São Paulo (Sapesp) tentou que o Campeonato Paulista de todas as divisões fosse paralisado. O caso foi revelado nesta segunda-feira pelo próprio sindicato, que apontou que um juiz do Trabalho de Campinas (SP), que não teve seu nome revelado, rejeitou a liminar.

O Sapesp reclama que o regulamento geral da Federação Paulista de Futebol (FPF) prevê a perda de pontos e rebaixamento para os clubes que devem salários aos atletas. Mas que clubes como o Batatais e o Santo André, ambos na Série A2 do ano passado, mantiveram dívidas com seus atletas.

No entender do sindicato, apesar das denúncias, nenhum clube foi punido ou perdeu pontos porque eles foram "acobertados" pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) da FPF. "Se o TJD cumprisse à risca o regulamento geral que ela mesma elaborou, ambos (Batatais e Santo André) poderiam estar fora da segunda fase da competição (da Série A2 de 2016). Um claro atentado à lisura de qualquer disputa esportiva", diz o Sapesp, em nota.

Com base nesse entendimento, que tiraria o Santo André da elite, o Sapesp procurou a Justiça. A liminar foi negada, mas o juiz teria determinado, sempre de acordo com o sindicato, que a FPF remeta ao sindicato os documentos que comprovam a quitação dos salários.

"Evidente que não queríamos solicitar a paralisação dos campeonatos", admite Rinaldo Martortelli, presidente do sindicato. "A mentalidade reinante é por demais arcaica, aquela que tem sempre por base o próprio umbigo, assim, não nos restou outra opção", completa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.