Sindicato quer parar futebol argentino

O Sindicato dos Trabalhadores da Argentina ameaça parar o principal campeonato de futebol do país a partir da próxima semana. O protesto é contra a empresa privada que administra o Racing e que demitiu recentemente 68 funcionários que trabalhavam no estádio do clube em dias de jogos.A direção do Racing demitiu os funcionários para tentar equilibrar as finanças, já que o clube tem uma dívida de cerca de US$ 60 milhões. Os dirigentes prometem pagar todos os direitos das pessoas que foram dispensadas, mas os sindicalistas não aceitaram a decisão e seus representantes irão se reunir com a empresa que administra a equipe, na quarta-feira, para tentar um acordo. ?Se não houver acerto, nossa idéia é que os estádios permaneçam fechados?, avisou o presidente do Sindicato, Genaro Pinto.Como a maioria dos funcionários dos clubes argentinos são sindicalizados, o Sindicato tem o poder de armar uma greve, impossibilitando a abertura dos estádios por falta de gente para cuidar da segurança, da entrada dos torcedores e da venda de ingresso. As equipes até que poderiam contratar outras pessoas, sem vínculo sindical, para estas funções, mas estariam abrindo uma verdadeira guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.