Situação vence disputa pelo comando do conselho corintiano

Alberto Dualib venceu mais uma disputa no Corinthians. Nesta terça-feira à noite, o presidente do clube viu seu candidato à presidência do Conselho Deliberativo, Carlos Senger, ser eleito ao cargo após uma apertada disputa com o candidato da oposição, Mario Gobbi: 178 votos a 176.O resultado foi de suma importância para o futuro político de Dualib, que há 13 anos é mandatário do clube. Como ele tem a mesa diretora a seu favor, consegue aprovar seus atos com facilidade.Ao contrário do que se previa, a eleição desta terça-feira foi realizada com tranqüilidade no Parque São Jorge. Primeiro, os 100 conselheiros da oposição, que foram eleitos em janeiro, tomaram posse, graças a uma determinação do juiz Carlos Alberto Garbi, da 1ª Vara Cível do Tatuapé. Em seguida, 100 conselheiros escolhidos pela situação também foram empossados. Esses 200, mais os 200 vitalícios, é que escolheram Senger como presidente do Conselho Deliberativo.Em seguida, houve a eleição para o Conselho de Orientação (Cor), vencida pela chapa do ex-vice-presidente de futebol Antônio Roque Citadini, composta por 14 membros e 10 suplentes. O presidente do órgão, no entanto, ainda não foi escolhido.A análise das contas do clube de 2006 foi adiada para a próxima reunião do Conselho Deliberativo, com data ainda não definida.´União´ e lamentosDualib evitou comemorar os resultados e preferiu enaltecer o que chamou de ´união para o bem do clube´. "Foi uma eleição democrática, sem vencedores ou vencidos. Quem ganhou foi o Corinthians. Agora o Corinthians tem sangue novo, conselheiros novos, que vão ajudar a enfrentar os desafios", afirmou. "Vão nos cobrar e vamos trabalhar mais. O Corinthians não está rachado, está mais unido do que nunca. Todo mundo vai colaborar, ninguém está para dividir."O líder da oposição, Andres Sanchez, culpou a ausência de três conselheiros de sua chapa pela derrota no pleito. "Eu sabia que a eleição seria equilibrada. Lamento que tenham faltado três pessoas da oposição, que teriam votado na gente. Só eles podem explicar por que não apareceram", lamentou.Sanchez, no entanto, afirmou que a oposição saiu fortalecida do embate, apesar da derrota. "O Conselho antes era uma unanimidade, aprovava tudo o que o Dualib queria. Agora vai ter cobrança, vai ter fiscalização. Vamos trabalhar para exigir que o Corinthians seja transparente. O Corinthians era uma caixa preta que nunca foi aberta."Atualizado às 00h40

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.