"Skinheads" atacam jogador negro

O jogador hondurenho Luis Arcanga Ramos Colón, do Dínamo de Zagreb, se transformou em mais um exemplo da onda de intolerância racial que a cada dia ganha mais força na Europa. O jogador, negro, foi atacado por um grupo de "skinheads", quando tomava um coletivo em Zagreb, a capital croata. ?Eles me cercaram, quebraram uma garrafa na minha cabeça e me acertaram vários golpes?, contou o jogador, de apenas 17 anos, e que chegou à Croácia depois de uma rápida passagem pelo futebol italiano. ?Estou muito assustado e podem ter certeza. Eu não quero ficar em Zagreb por mais tempo?, afirmou Ramos. Recentemente, os jogadores negros do Liverpool, Emile Heskey e Djimi Traore já haviam denunciado manifestações racistas de torcedores adversários, em várias competições européias. No início de outubro, Heskey enfrentou o preconceito atuando pela seleção da Inglaterra, na partida em Bratislava, contra a Eslováquia, pelas eliminatórias da Eurocopa 2004. O PSV Eindhoven, da Holanda, foi punido com multa pela Uefa por causa do comportamento racista de seus torcedores. No dia 25 de outubro, em partida contra o Arsenal da Inglaterra, pela Liga do Campeões da Europa, torcedores do time holandês gritaram palavras de ordem de conotação racista contra Thierry Henry, campeão do mundo em 98 com a seleção da França. Os atletas negros que atuam no futebol europeu estudam formas de combate ao racismo e admitem até mesmo a possibilidade de boicotar competições européias se medidas imediatas não forem adotadas pela Uefa - a entidade que comanda o esporte no continente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.