Só a vitória interessa ao São Caetano

O São Caetano decide seu futuro na Copa Libertadores da América contra o Peñarol, do Uruguai, nesta terça-feira, às 21h10, no Estádio Anacleto Campanella, no ABC. Para chegar às semifinais, o time brasileiro precisa vencer por dois gols de diferença, porque perdeu o primeiro jogo por 1 a 0. Será a chance de carimbar as faixas do atual campeão uruguaio. Se vencer por um gol de diferença, a decisão irá para os pênaltis. O Peñarol se sagrou campeão nacional no fim de semana com uma rodada de antecedência. No sábado, ele empatou com o Deportivo Maldonado, por 2 a 2, mas acabou beneficiado domingo com a derrota do Nacional para o Danúbio, por 6 a 3. O campeão tem 35 pontos, quatro a mais que o vice-líder. Espera agora segurar o São Caetano. O confronto, portanto, ganhou clima diferente do primeiro. Nada que tire a confiança do técnico Jair Picerni. "Se eles são campeões é sinal de que formam um grande time. Mas, nós, também temos um grande time e vamos lutar para ganhar", comentou o técnico, que também não lamentou muito as duas ausências forçadas por contusão. Uma delas é o meia Anaílson, que perdeu quatro quilos após uma infecção intestinal na semana passada. Outra é o atacante Brandão, com uma lesão muscular na panturilha da perna direita. Mesmo não confirmando seu time, Picerni deve escalar dois atacantes natos: Jean Carlos e Somália. O meia Wagner tem chances de ficar com a vaga de Jean Carlos, enquanto o meia Robert, emprestado pelo Santos, vai para o banco de reservas. O objetivo do técnico é ganhar mais força e altura no time. "O Peñarol é muito forte e alto. Tanto que seu jogo ofensivo é todo baseado no jogo áereo." Desta forma, ele não abriu mão dos dois volantes de pegada, Marcos Senna e Serginho, optando por Adãozinho e Ailton nas meias. "O Robert não se adaptou bem flutuando mais na frente", garante Picerni. Nesta segunda-feira pela manhã aconteceu um técnico-tático. À tarde houve o tradicional recreativo, seguido de concentração. Há muita expectativa na cidade para este jogo, além da ampla cobertura da imprensa. Pela primeira vez na temporada, todas as principais emissoras de rádio de São Paulo solicitaram cabines para a transmissão do jogo. "Acho que não vai caber todo mundo", concluiu o assessor de imprensa do clube, Primo Ribeiro, assustado com tanto interesse. O jogo em Montevidéu, quinta-feira, foi acompanhado apenas pela Rádio Record.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.