JF Diorio
JF Diorio

Só Cristaldo se salva das críticas de Dorival aos argentinos

Técnico demitido do Palmeiras reclama da postura de Tobio, das expulsões de Allione e da falta de condicionamento de Mouche

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2014 | 15h22

O técnico Dorival Júnior, demitido na segunda-feira do Palmeiras, não esconde a chateação pela maneira como saiu do clube. Segundo ele, havia a promessa dos dirigentes para que ele continuasse no clube em 2015. Além disso, revelou ter impedido o afastamento de jogadores após a goleada por 6 a 0 para o Goiás, em setembro, pelo Campeonato Brasileiro. 

"Aconteceu, sim. Eu me posicionei contrário. Eu jamais vou tomar uma decisão sem que tenha ouvido toda a comissão e a diretoria. Chegamos ao consenso depois de algumas conversas de que não seria o momento ideal (afastamento de jogadores). Foi importante essa tomada de decisão", afirmou o treinador na tarde desta quarta-feira em entrevista à ESPN.

Dorival também criticou os argentinos Tobio e Mouche. O atacante Mouche decidiu que voltaria à Argentina se o treinador fosse mantido. Já o zagueiro Tobio publicou em seu Twitter que não enfrentou o Atlético-PR por opção do comandante, e não por um problema físico, como o clube divulgou. "Reconheço que o Mouche não teve oportunidades comigo. O Cristaldo foi titular por mais de dez partidas, o Tobio também. O Allione, em todos os momentos em que jogou, foi expulso. Ele também sofreu uma lesão e, quando retornou, ainda estava inseguro. O Mouche demorou muito para entrar em forma, acho que ele se esqueceu disso. Demorou 45 ou 50 dias para começar a produzir melhor", disse Dorival. 


Dorival disse que não quis promover o retorno de Tobio ao time titular em um jogo tão decisivo, pois ele estava fora havia mais de 15 dias para tratar uma lesão na coxa direita. "Eu estava preocupado pelo período de afastamento dele. Ele vinha sendo titular da equipe, mas era um período de recuperação longo para que acontecesse a volta de um zagueiro. A minha preocupação era uma observação bem clara dos dois dias antes da partida", disse o ex-técnico do Palmeiras, que criticou a postura do atleta. 

"O jogador, às vezes, precisa ter cuidado. Eu jamais expus qualquer atleta por qualquer motivo. O Tobio me mostrou o outro lado. Ele chegou ao doutor e pediu para não ser relacionado. Esse lado as pessoas não conhecem. Estou dando a versão correta. O senhor Tobio precisa ser responsável. O Tobio não poderia ter feito isso. Existe uma hierarquia e ela precisa ser respeitada", disse Dorival, irritado. 

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolBrasileirãoPalmeirasDorival

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.