Só Diego desfalca o Santos amanhã na Vila

O Santos vai jogar praticamente completo contra o Mogi Mirim, com a chegada dos titulares que estiveram na seleção sub-23. Apenas Diego, com dores no músculo posterior da coxa esquerda será poupado, mas Leão ainda tem uma dúvida para escalar o time. Durante o coletivo de hoje ele escalou Paulo Almeida e Claiton como dupla de volantes e colocou Renato mais adiantado, fazendo o papel de armação das jogadas de ataque. Depois, tirou Claiton e colocou Basílio ao lado de Robinho e Robgol, formando a equipe com três atacantes. "Vamos jogar com uma vontade muito grande de vencer", disse o treinador, animado com o retorno ao time de quatro de seus principais jogadores. "Vamos atuar de uma forma sempre ofensiva e temos duas opções que podemos usar, uma com o Claiton e outra com o Basílio, sem o Claiton". Sua preocupação é que o volante já tem dois cartões amarelos e o próximo jogo é contra o Palmeiras. Pensando nisso, pode até ficar com o esquema mais ofensivo, com três atacantes. Os cinco jogadores que estavam na seleção chegaram cedo. Leão reuniu todo o elenco, conversou com os atletas e apresentou os novos reforços. Nessa reunião passou a eles a opinião de que deveriam atuar o mais rápido possível, mesmo com o cansaço físico alegado. "Quanto mas cedo eles voltarem a vestir a camisa do Santos será melhor para todos", opinou o técnico, prometendo folga na quinta-feira aos que disputaram o pré-olímpico. Apenas Diego não foi para o campo, tomando a direção do departamento médico. Lá, passou pelo exame de Carlos Braga, que constatou o estado dolorido em sua coxa esquerda e decidiu poupá-lo para o jogo de amanhã. "A vontade de jogar é muito grande e quero estar recuperado para voltar no clássico de domingo", comentou Diego. Segundo o meia, a dor apareceu no jogo contra o Chile. "Tive de ser substituído e na partida contra o Paraguai tive de tomar injeção antinflamatória para poder jogar", completou. Já o meia Elano, sem problemas físicos, nem teve dúvida e já confirmou logo cedo que jogaria. "Vai ser bom jogar e até a hora da partida dá para a gente se livrar do cansaço", disse. Ele entende que "jogar bola não é um sacrifício, é o nosso trabalho" e lembrou que seu pai trabalha todo o dia e levanta às 4 horas diariamente. Reforço - Para Renato, capitão do time, a volta dos companheiros que estavam na seleção deverá reforçar ainda mais o time para o jogo de amanhã, contra o Mogi Mirim. "Precisamos dessa vitória dentro de casa e o retorno é importante porque trabalhamos há anos juntos e o entrosamento é muito bom". O volante não teme a mudança radical no time, com quatro atletas entrando. "Nós nos entendemos muito bem e isso se estende aos novos jogadores que chegaram para deixar o Santos ainda mais forte". Renato recebeu os colegas que chegaram, abatidos, da seleção. "Eles e todos nós lamentamos que o objetivo não foi conseguido e aqui no Santos terão todo nosso apoio", comentou. Robinho estava mais sério do que o costume, mas revelava vontade de jogar e fazer uma boa partida, depois do fracasso no Chile. Ele vai atuar pela primeira vez ao lado de Robgol, formando a dupla de ataque. "Tivemos o primeiro contato no coletivo e vamos nos dar bem e espero que ele faça muitos gols", disse o atacante. Com o retorno de Robinho, Paulo Almeida, Elano e Alex ao time, vários reforços irão para o banco, aumentando as opções de Leão. O lateral-direito Paulo César e Robgol têm lugar garantido, sendo que Claiton e Basílio disputam uma vaga.

Agencia Estado,

27 de janeiro de 2004 | 19h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.