Só falta prêmio da Fifa para Ronaldo

A Fifa revela, dia 17, um segredo que o mundo sabe desde o início de novembro. Com pompa, circunstância e festa estrategicamente marcada para Madri, a entidade que controla o futebol irá anunciar que Ronaldo é o melhor jogador de 2002. Os votos dados pelo colégio eleitoral, formado em grande parte por treinadores de seleções, foram recolhidos há várias semanas. A apuração manual apontou como vencedor o brasileiro, seguido do francês Zinedine Zidane, seu companheiro de Real Madrid, e do alemão Oliver Kahn, titular do Bayern de Munique. O desempenho na Copa, do qual foi artilheiro com 8 gols, se transformou no trunfo eleitoral do atacante brasileiro. Agora, depois de ser eleito o melhor em campo na final do mundial interclubes, na vitória do Real sobre o Olimpia, só comprova que a escolha de Ronaldo é a mais justa.O prêmio da Fifa vem coroar um grande ano de Ronaldo. Afinal, ele voltou definitivamente ao futebol em 2002, depois de ficar cerca de dois anos se recuperando das duas cirurgias no joelho. Depois, foi fundamental na conquista do pentacampeonato com a seleção brasileira. Também se envolveu no maior negócio da temporada: a Inter de Milão o vendeu para o Real por US$ 45 milhões. E agora, ganhou o título do mundial interclubes com a equipe de Madri.Prêmio Fifa - A CBF já foi informada do resultado da eleição, Ronaldo e assessores também ? tanto que já se preparam para a ocasião, que pretendem ver registrada nos mínimos detalhes e com generosidade. Afinal, o astro volta ao topo, como havia ocorrido em 96 (na época ainda no Barcelona) e em 97 (no primeiro ano na Internazionale).Mas a Fifa, em seu jogo de cena, finge que a surpresa será desfeita apenas na solenidade de premiação. Oficialmente, nenhum auxiliar do presidente Joseph Blatter fala a respeito do assunto, porém, não se faz esforço para desmentir o ?segredo de polichinelo?.Assim, Ronaldo passa a ser o único tricampeão desse prêmio que tem história recente. A Fifa instituiu a escolha do melhor do mundo a partir de 1991, que teve o alemão Lotthar Mattheus, então na Inter, a puxar a fila. No ano seguinte, o escolhido foi Marco Van Basten, holandês que brilhou no Milan. Em 93, Roberto Baggio (Juventus) se destacou. Romário foi lembrado em 94, quando atuava no Barcelona. Em 95, o liberiano George Weah (Milan) agregou a preferência dos eleitores.Ronaldo brilhou nas duas temporadas seguintes, para ser superado por Zidane (Juventus), em 98. O meia voltou a festejar em 2000, ainda com a camisa da equipe de Turim. Entre uma e outra vitória francesa, apareceu Rivaldo, em 99 (Barcelona). O topo dessa hierarquia, no momento, é do português Figo, vencedor de 2001.Ronaldo já venceu eleição semelhante elaborada pela revista francesa Onze. Além disso, tem grande possibilidade de emplacar também a ?Bola de Ouro?, um dos troféus mais tradicionais da Europa e oferecido pela revista France Football.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.