'Só fiquei cinco meses e meio porque sou teimoso', diz Leão

Durante a entrevista coletiva do técnico, torcedores atiraram pedras contra o carro do treinador

Sanches Filho - O Estado de S.Paulo,

27 de maio de 2008 | 18h03

O ex-técnico do Santos, Émerson Leão, concedeu uma entrevista coletiva na tarde desta terça-feira no CT Rei Pelé para explicar sua saída do clube da Vila Belmiro. Ele afirmou que das três passagens que teve pelo Peixe esta foi a mais difícil. "Só fiquei aqui cinco meses e meio porque sou casca-dura e teimoso", declarou.Na entrevista, Leão não perdeu a oportunidade de alfinetar a torcida organizada mais famosa do clube, a Torcida Jovem. "Agora a turma do carnaval fica satisfeita", assinalou. Durante as declarações do treinador, alguns torcedores soltaram rojões do lado de fora do CT e atiraram pedras contra o carro do técnico, uma Mercedes preta, que teve uma de suas laterais amassada.Émerson Leão disse também que não sai do Santos magoado e fez questão de ressaltar sua amizade com o presidente do clube, Marcelo Teixeira. Ele negou que tenha discutido com alguns jogadores da equipe no último domingo no vestiário do Mineirão, após o Peixe ser goleado por 4 a 0 pelo Cruzeiro em partida válida pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro.De acordo com Leão, o time da Vila Belmiro vive um grave problema financeiro e por isso a diretoria não pretende fazer grandes contratações para a seqüência do Brasileirão. Mesmo assim, segundo ele, é possível a equipe se recuperar e ainda fazer uma boa campanha na competição nacional.O treinador também falou que neste momento não pretende sair de São Paulo, pois quer acompanhar em setembro o casamento da filha. No entanto, não descartou a possibilidade de se transferir para um clube do Rio de Janeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Santos FCEmerson leão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.