Só Gouvêa não quer vender Fabiano

O presidente do São Paulo, Marcelo Portugal Gouvêa, por enquanto, é a única resistência para Fabiano ser negociado com o Betis. O jogador, seu empresário, seu procurador, o treinador do clube espanhol, Victor Fernandez, e a diretoria do Atlético Paranaense estão de acordo com a transferência, que deve ser fechada nesta sexta-feira. "Quem não gostaria de jogar na Europa? Eu também. Mas quero que tudo seja resolvido de maneira que nenhum lado seja prejudicado. Principalmente o São Paulo. Sinceramente, vou deixar para o meu empresário, Juan Figer, decidir lá na Espanha. Confio que ele fará o melhor para mim", disse, nesta quinta, Fabiano. No início da transação, o Betis estava interessado em conseguir o empréstimo de Fabiano por um ano. Oferecia 1 milhão de euros. E se aprovasse o jogador, pagaria mais 4 milhões para tê-lo em definitivo. Figer detém 40% dos direitos federativos e o Atlético Paranaense, mais 40%. O São Paulo tem 20%. O contrato de Fabiano com o clube termina no final do ano. Gouvêa não quer liberar o atleta de maneira alguma por empréstimo. Aceita apenas vendê-lo. Se Fabiano for emprestado e aprovado, o dinheiro da transação virá apenas em 2004, quando provavelmente ele não será mais presidente do São Paulo. Haverá eleição em abril de 2004 e até agora a chance de reeleição é pequena. Como o Betis conseguiu apresentar nesta quinta-feira o argentino Palermo sem gastar muito na transação, já que o atacante estava livre de compromisso com qualquer clube, a verba que sobrou pode ser investida na compra de Fabiano. Os dois fariam companhia ao ex-são-paulino Denílson, que teria recomendado a contratação de Fabiano. O bom desempenho de Gustavo Nery em Fortaleza, atuando pela lateral, foi mais um dado a favor dos conselheiros que defendem a venda imediata de Fabiano. O São Paulo poderia ficar sem ele, já que até o reserva Fábio Santos tem ido bem. Para a partida contra o Vasco, domingo, o técnico Roberto Rojas poderá escalar Fabiano, livre de suspensão. Mas o jogador quer a definição o mais rápido possível. Não quer entrar em São Januário sem saber se continuará ou não no São Paulo. Só que desta vez o negócio não está nas mãos de Marcelo Portugal Gouvêa. Pelo contrário. Se Figer, a diretoria do Atlético Paranaense e o jogador quiserem fechar a transação, não haverá jeito. Leonardo também está livre de suspensão. E Ricardinho é dúvida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.