Só Robinho não deve encarar o Guaraní

Para o Santos, basta um empate contra o paraguaio Guaraní na quinta-feira para a conquista antecipada do primeiro lugar em seu grupo da Libertadores da América. Mas o técnico Emerson Leão vai armar seu time para conquistar outra vitória e não poupará seus jogadores. "O Guarani pode chegar a 12 pontos e nós só estamos com dez. Por isso, queremos vencer." Na verdade, o que o treinador quer é cumprir tabela na última partida, contra o boliviano Jorge Wilstermann, para poder se concentrar apenas na final do Paulista, que ocorrerá na mesma época desse último jogo pelo torneio latino. O Santos treina nesta segunda-feira à tarde no CT Rei Pelé e embarca terça-feira pela manhã para Assunção, onde continuará o programa de treinamento até quarta-feira, véspera do jogo contra o Guaraní. Robinho será o único desfalque e deverá ser substituído por Basílio, que formará o ataque com Robgol. Para o meia Diego, a vitória de sábado contra o União Barbarense, que garantiu a vaga para as semifinais no Paulista, terá um papel importante no jogo contra o Guaraní. "Uma vitória sempre gera confiança e vamos confiantes ao Paraguai, onde, respeitando como sempre o adversário, vamos lutar para vencer mais uma vez e dar outro passo para conquista da Libertadores." Diego espera que a má fase tenha acabado no sábado. "Entrei em campo com o time muito motivado porque era uma decisão e foi uma de minhas melhores partidas na temporada. A tendência é que o futebol vá crescendo durante as partidas e o Santos vai chegar ao título." O meia comenta que vem sofrendo cada vez mais faltas e espera que isso acabe. ?Espero não sofrer muitas faltas até porque estou sendo prejudicado por algumas pessoas que dizem coisas que não fazem parte de meu futebol", disse ele, referindo-se à fama de cavador de faltas e jogador que cai muito dentro de campo. "Se puder, vou passar o jogo sem sofrer uma falta, se puder levar o lance para ser beneficiado pela lei da vantagem. Afinal, o prejudicado pelas faltas que sofro sou eu mesmo." Sem marcar gols nesta temporada, Diego comenta que isso não é uma surpresa para ele. "Nunca fui um meia artilheiro e, dentro do possível, vou fazer o gol", disse, lembrando que sua primeira função "é a organização de jogadas, o passe, a cadência do jogo. E é o que estou preocupado em fazer." Ainda sobre essa questão, Diego comentou que isso não o preocupa. "Não estou preocupado em fazer gols até porque temos três atacantes e eles estão ali para isso." Mas reconhece que tem desperdiçado algumas chances de gol. "Estou tendo as oportunidades, mas infelizmente a bola não está entrando. Isso não me preocupa, o que me preocupa é sair com a vitória." Diego entende que a disputa simultânea de duas competições importantes para o Santos provoca um desgaste nos jogadores."Está dando para administrar isso, mas é difícil", disse ele, reconhecendo que o desgaste é, principalmente, psicológico. "A concentração para as partidas é desgastante e é possível superar isso agora que vamos entrar na fase decisiva da Libertadores."

Agencia Estado,

21 de março de 2004 | 17h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.