Só título evita desmanche são-paulino

O São Paulo do restante do ano dependerá muito de como será a decisão da Libertadores. Se o time for campeão, a tendência é que os jogadores sejam mantidos até o Mundial de Tóquio, em dezembro. Se a equipe for derrotada, poderá haver um desmanche. Certo, mesmo, apenas a saída do atacante Luizão, que dentro de dez dias será jogador do Nagoya Grampus, do Japão."Se a gente for campeão, todo jogador vai querer continuar aqui para jogar o Mundial, que é muito importante. E nós faremos todo o esforço para que isso aconteça", diz Juvenal Juvêncio, diretor de futebol.O lateral Cicinho e os zagueiros Lugano e Fabão são os jogadores com mais possibilidade de sair do Morumbi. Mas segurar os jogadores não parece algo tão difícil. Não há ninguém com o contrato prestes a acabar, pronto a se desvincular sem custos."Trabalhamos bastante para que os contratos fossem renovados. O Lugano assinou há três meses e o Cicinho há 15 dias. Todo mundo tem contrato até 2008. Se alguém sair, pelo menos vamos ter lucro, mas a intenção é que todos fiquem", diz Juvenal.A postura a ser tomada com a saída de Luizão também depende dos jogos contra o Atlético Paranaense. Se o São Paulo for campeão da Libertadores, a tendência é que o técnico Paulo Autuori faça experiências com Diego Tardelli e Roger como companheiros de Amoroso no ataque. Só mesmo se nenhum dos dois mostrar serviço é que o São Paulo gastará dinheiro na busca de um novo atacante.Além disso, há a esperança de que Grafite consiga se recuperar da operação dos ligamentos cruzados do joelho direito até outubro e possa jogar o Mundial. O biotipo do jogador aponta para esta possibilidade. "Mas se não der certo nós vamos ficar espertos e procurar alguém. Vamos ter atacantes, sim", diz Juvenal.A busca será acelerada se o time perder a Libertadores. No caso, Tardelli e Roger terão menos tempo para garantir um lugar no time.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.