Só vitória sobre a Alemanha salva técnico da Polônia

Pawel Janas é um homem com a cabeça na guilhotina e parece que vai ser muito difícil escapar da degola. O técnico polonês já era criticado em seu país desde que anunciou a lista de convocados para o Mundial e deixou de fora o goleiro Dudek, do Liverpool. Depois da derrota por 2 a 0 para o Equador na estréia, então, passou a ser odiado. E na opinião dos jornalistas de seu país não há a menor chance de derrotar a Alemanha nesta quarta-feira para reverter a situação. Para eles, a Copa acabou logo na primeira rodada. Mas Janas não pensa assim. Se pensa, não diz. Em sua última entrevista antes do jogo, disse que tem esperança de levar a equipe para as oitavas-de-final. ?Ainda podemos nos classificar. O jogo contra a Alemanha é nossa última chance.? O treinador faz mistério e diz que vai fazer ?pelo menos uma mudança? no time, mas sem dizer em que setor pretende mexer. É possível que seja no ataque, porque ele deixou claro que não sente muita firmeza na defesa dos donos da casa. ?A Alemanha é um time forte no ataque, que faz muitos gols. Mas é inexperiente e vulnerável na defesa.? Ele nega que a decisão de mudar a escalação seja reflexo da pressão que vem sofrendo da imprensa e até de ex-companheiros - Janas disputou a Copa de 1982 - para mexer no time. ?Escuto muitas opiniões, mas quem decide sou eu. Jogamos mal e perdemos na primeira partida, é óbvio que teremos de tentar algo diferente contra a Alemanha.? A última vez que a Polônia enfrentou os alemães numa Copa foi em 1974. Num campo alagado, perdeu por 1 a 0, em Frankfurt, e viu morrer o sonho de chegar à final - decidiu o terceiro lugar com o Brasil e venceu por 1 a 0.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.