Rodrigo Jiménez/EFE
Rodrigo Jiménez/EFE

Sob a sombra de Mourinho, Real Madrid enfrenta Ajax para amenizar crise

Madrilenhos defendem vantagem construída no jogo de ida diante dos holandeses, pelas oitavas da Liga dos Campeões

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2019 | 04h30

Na ressaca de duas doloridas derrotas para o arquirrival Barcelona, o Real Madrid vai entrar em campo nesta terça-feira, às 17 horas (de Brasília), para enfrentar o Ajax com a obrigação de sacramentar sua vaga nas quartas de final da Liga dos Campeões. A eventual eliminação consolidaria a crise no clube espanhol e fortaleceria a sombra de José Mourinho sobre o técnico Santiago Solari.

A tarefa, contudo, não é das mais complicadas. Como o Real venceu o time holandês na ida por 2 a 1, em Amsterdã, mesmo uma derrota por 1 a 0 no estádio Santiago Bernabéu não impedirá que os espanhóis avancem na Liga dos Campeões, maior aposta do clube neste momento na temporada. E isso porque está a 12 pontos do líder Barcelona no Campeonato Espanhol e já está fora da Copa do Rei. 

Para piorar, a situação difícil é consequência direta de dois resultados adversos contra o Barça. Na semana passada, o Real perdeu dois clássicos seguidos para o rival, ambos disputados em sua casa. O primeiro o eliminou na semifinal da Copa do Rei e o segundo, no sábado, fez a diferença entre os dois times se tornar quase impossível de ser neutralizada na tabela do Espanhol. 

Por tudo isso, vencer o Ajax e convencer na Liga dos Campeões é quase obrigação nesta terça. "Queremos ganhar e passar de fase. A equipe tem muito caráter e isso é algo que me orgulho muito. O vestiário é muito forte", ressalta Solari, sem esconder que vive situação complicada no comando do clube.

Parte da torcida e da imprensa já pede a sua cabeça. E o português José Mourinho novamente é um dos cotados para assumir o seu cargo. "Este clube teve sempre mais pretendentes do que a Julia Roberts. Isso é normal", ironiza o treinador argentino.

Dentro de campo, a preocupação de Solari será na zaga. O capitão Sergio Ramos vai cumprir suspensão e deve ser substituído por Nacho, formando dupla com Varane. E essa baixa deve ser justamente o ponto a ser mais explorado pelo Ajax nesta terça. 

"É um grande golpe para o Real. Modric e Kroos são os chefes do meio-campo, mas Ramos é o líder da defesa. Sua ausência vai afetar o time no aspecto físico e mental", projeta o técnico do Ajax, Erik ten Hag, que reconhece as dificuldades deste confronto.

"Obviamente eles vão querer ganhar uma taça nesta temporada e este torneio é a última chance deles. Como a Liga dos Campeões é o que resta, eles vão mudar muito de atitude dentro de campo. Nosso jogadores terão de lutar bastante para que o Ajax continue na competições", afirma.

DORTMUND DESESPERADO

Se o Ajax está em situação complicada, o Borussia Dortmund está à beira do desespero. O time alemão precisa reverter uma inesperada derrota por 3 a 0 sofrida em Londres, no jogo de ida. Mas não desanima. "Acredito que estamos preparados para fazer o impossível", diz o meia e capitão Marco Reus. "Daremos o máximo e tentaremos marcar os gols nos momentos importantes."

O desafio do Dortmund não será apenas ganhar do Tottenham. Os alemães terão que superar a si mesmos em razão da recente má fase da equipe. Em fevereiro, o time só ganhou uma vez nas sete partidas que fez. Além da derrota na Inglaterra, foi eliminado nas oitavas de final da Copa da Alemanha e permitiu no último final de semana que o Bayern de Munique se igualasse na pontuação para dividir a liderança do Campeonato Alemão.

Do outro lado, o Borussia terá pela frente um time que promete concentração em campo, sem se afetar pela boa vantagem construída na partida anterior. "Acho que temos de jogar como sempre, tentar vencer. Nós não podemos pensar no jogo de ida. É importante começar o jogo em um bom nível e sermos ofensivos. Essa é a chave", diz o argentino Mauricio Pochettino

Para o duelo decisivo, o time inglês tem duas dúvidas. Os meias Eric Dier e Harry Winks foram desfalques nos últimos jogos, mas viajaram com a delegação e estão na Alemanha à disposição do treinador. Pochettino não confirmou a presença dos dois, pois explicou que será necessário dar à dupla mais um dia de descanso antes de avaliar se terá condição de atuar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.