Sob clima tenso, Juninho comanda treino

O treino do Corinthians começou nesta terça-feira pontualmente às 16 horas e o técnico Juninho foi o último a entrar no gramado do campo no CT do Parque Ecológico. Conversou com seus auxiliares enquanto o preparador físico Moraci Sant´anna fazia o aquecimento dos jogadores. Confirmado no posto, Juninho comandou normalmente o treino tático, preparando a equipe que vai enfrentar o São Paulo, no clássico de domingo.De semblante sério, Juninho comandou um mini-coletivo (tinha à disposição apenas 18 jogadores de linha). Depois, reuniu o setor defensivo (laterais, volantes e zagueiros) e fez um treino em separado.Enquanto os atacantes treinavam finalização, Juninho orientava pessoalmente o treino dos defensores. "Ele mostrou nossas falhas e como podemos consertar", explicou o volante Fabinho.O treino foi de poucas brincadeiras e risadas para Juninho. Às 17 horas, chegava ao CT o diretor-técnico Roberto Rivellino. Meia hora depois, o vice-presidente de futebol Roque Citadini. Nem chegaram a se cumprimentar. Juninho continuou o treino da defesa, enquanto os cartolas assistiam ao treino do lado do campo. Rivellino não quis dar entrevistas. Citadini confirmou que nada havia acontecido. Juninho estava confirmado no cargo, pelo menos até o próximo jogo.No mini-coletivo, deu para perceber que o desafio será grande. Nesta terça, Juninho não tinha dois times para comandar um coletivo. Rogério, com o problema no olho, ainda não treinou. Marcelo Ramos está contundido e Rafael Silva deve ser operado nesta quarta, às 18 horas, no hospital São Luís.Os jogadores promovidos do time de Juniores (como Jô, Fininho e Coelho) estiveram com o fisiologista Renato Lotufo, fazendo os testes físicos.Para complicar, o zagueiro Marquinhos sofreu uma pancada na perna esquerda e está no Departamento Médico. Seu aproveitamento, no entanto, é quase certo no clássico contra o São Paulo.Com tantos problemas, Juninho teve de recorrer às improvisações. Na lateral-direita entrou Pingo. Na zaga, Valdson. O meio foi formado por Rincón, Fabinho, Rodrigo e Dinélson. No ataque, jogou apenas Régis (os dois times tinham 10 jogadores). A outra vaga, possivelmente, será de Gil, que ainda se recupera de uma contusão no púbis.O meia Adrianinho treinou no time reserva e, aparentemente, não sentiu o treino com bola - reclamava de dores musculares ao chutar a bola.Perto de ganhar um lugar no time titular, o meia Dinélson garante que está tranqüilo. "Tenho me preparado para isso. Acho que comecei devargazinho - nenhum jogador começa 100% - e conheço meu potencial.Sei que posso dar mais para o time", disse o jogador que completou 18 anos na semana passada.Se for confirmado no time titular, será a primeira partida em que começará jogando. Até o momento, Dinélson entrou em três partidas, sempre no segundo tempo, mas mesmo assim, tem recebido muitos elogios por parte da Comissão Técnica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.