Jose Patrício/AE
Jose Patrício/AE

Sob o olhar de Felipão, Palmeiras bate o Santos

Equipe alviverde faz 2 a 1, no Pacaembu, e se iguala ao rival no número de pontos no Brasileirão

Alan Rafael Villaverde, estadão.com.br

15 de julho de 2010 | 23h01

SÃO PAULO - Felipão não gritou, não esperneou, não comandou, mas o seu Palmeiras, com o inseparável amigo Murtosa no banco, venceu o Santos por 2 a 1 na noite desta quinta-feira, no Pacaembu, em partida válida pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro.

Veja também:

BRASILEIRÃO – tabela Classificação | listaCalendário / Resultados

BRASILEIRÃO 2010 – lista Mais notícias

Eldorado/ESPN - som Palmeiras 1x0 / som Palmeiras 2x0 / som Santos 1x2

Bate-Pronto - blog Felipão não quer a seleção

Bate-Pronto - forum Felipão chegou ao Palmeiras. E Agora?

Com a vitória, o Palmeiras chegou aos 12 pontos, na sétima posição. O Santos, que possui a mesma pontuação, se mantém na quarta colocação devido ao saldo de gols. O momento, no entanto, é alviverde.

Mais cedo, o Luiz Felipe Scolari foi apresentado. Jurou amor ao Palmeiras, recusou a seleção brasileira e traçou metas para a equipe alviverde, tendo como primeiro objetivo a disputa da Copa Libertadores de 2011.

O bom dia alviverde continuou. À tarde, a diretoria e a construtora WTorre assinaram a escritura de superfície para a construção da Arena Palestra. E, à noite, a vitória sobre o Santos fechou o dia.

Sob o olhar, e às vezes instruções, de Felipão, o Palmeiras abriu o placar logo aos 12 minutos do primeiro tempo. Ewerthon, aparentemente em melhor forma, arriscou um chute de fora da área, marcando um golaço. O jovem goleiro Rafael ainda tentou defender, mas em vão, pois a bola acertou o ângulo esquerdo.

Com o gol, a vida palmeirense ficou bem mais fácil. O Santos, que não contou com Robinho - fora de forma -, era lento e previsível. O pequeno Madson ainda tentou alguma coisa, mas nada que levasse perigo ao gol defendido por Deola.

Curiosamente, o técnico Dorival Jr tratou de sacar Madson para a entrada de Ganso, que ainda se recupera de uma artroscopia no joelho, para o segundo tempo. Apesar da vontade de jogar, o jovem meia mostrou que está fora de ritmo, ainda mais por voltar a jogar num gramado escorregadio devido à chuva.

 Palmeiras2
Deola; Vítor, Léo, Danilo e Gabriel Silva    ; Márcio Araújo, Edinho    , Marcos Assunção     e Lincoln (Tinga    ); Ewerthon) (Patrick) e Kléber (Tadeu)
Técnico: Murtosa
 Santos1
Rafael; Maranhão, Edu Dracena, Durval e Pará    ; Arouca, Wesley, Alan Patrick (Zé Eduardo) e Madson (Ganso); Neymar     (Marcel) e André
Técnico: Dorival Jr
Gols: Ewerthon, aos 12 minutos do primeiro tempo; Tinga, aos 21 minutos, e Marcel, aos 37 minutos do segundo tempo

Árbitro: Cléber Wellington Abade (SP)

Renda: não disponível

Público: não disponível

Estádio: Pacaembu, em São Paulo (SP)

QUE ESTREIA. Kléber reestreou pelo Palmeiras. Jogou bem, deu bons toques, mas a estreia a se destacar não é a do atacante, e sim a do volante Tinga, que entrou no lugar de Lincoln e, aos 21, marcou o segundo gol palmeirense. É verdade que seu chute foi desviado por Edu Dracena. Mas pouco importa. "Foi uma noite especial para mim. Espero manter esse ritmo no Palmeiras", disse o jogador.

REAÇÃO SANTISTA. A vitória aparentemente tranquila quase se transformou em pesadelo para o Palmeiras. O Santos tratou de mostrar um pouco do que é capaz, chegando a descontar aos 37, com um belo chute forte de Marcel, que entrara no lugar de Neymar. E, aos 45, o empate por pouco não surgiu, por conta de um erro da defesa palmeirense. O lateral Vítor desviou errado, fazendo a bola tocar no travessão do gol defendido por Deola.

Agora, o Palmeiras tentará manter o bom momento diante do Avaí, no domingo, às 16 horas, em Florianópolis, enquanto o Santos enfrentará o Fluminense, no mesmo dia, às 18h30, na Vila Belmiro.

NOTAS

Autor do primeiro gol palmeirense, Ewerthon continua invicto diante do Santos. Agora são cinco vitórias e apenas um empate +++  Felipão deve assumir o comando do time para partida diante do Avaí +++ Na temporada, o Santos soma duas derrotas para o Palmeiras.

Paulo Pinto/AE

Técnico Luiz Felipe Scolari comemora o segundo gol da vitória do Palmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.