Sob pressão, Corinthians aposta em Liedson para vencer

Pressionado a vencer o Atlético Mineiro, nesta quarta-feira, a partir das 21h50, em Ipatinga, o Corinthians antecipou a volta do atacante Liedson, que será titular mesmo sem ter condição de atuar os 90 minutos. E o técnico Tite, já ameaçado no cargo após três empates seguidos no Brasileirão, foi blindado pelo presidente do clube, Andrés Sanchez, que compareceu nesta terça ao último treino da equipe antes do jogo.

VÍTOR MARQUES, Agência Estado

17 de agosto de 2011 | 08h41

A presença de Andrés Sanchez é um sinal claro de que os últimos resultados no Campeonato Brasileiro abalaram o ambiente no clube, apesar de permanecer na liderança após 16 rodadas disputadas. O Corinthians, que chegou a abrir sete pontos em relação ao segundo colocado, viu essa diferença ser pulverizada com a drástica queda de rendimento.

O que separa Corinthians e Flamengo na classificação do campeonato é o número de vitórias (dez contra nove) e não o de pontos: ambos estão com 34 - e o terceiro colocado São Paulo vem logo atrás, com 32. Isso aconteceu porque, nas últimas seis rodadas, a equipe de Tite perdeu dois jogos, venceu um e vem de uma série de três empates consecutivos.

A queda de produção suscitou críticas ao trabalho de Tite por parte de conselheiros e dirigentes do clube. Andrés Sanchez, por outro lado, continua bancando o técnico e diz a interlocutores que a chance dele ser demitido com uma derrota nesta quarta-feira é de zero.

Tite disse em entrevista coletiva nesta terça-feira que está apenas preocupado com o desempenho do time dentro de campo. E não deu muita bola para a presença de Andrés Sanchez, com quem conversou durante alguns minutos antes do treino.

Para fazer com que o time volte a marcar mais gols, Liedson vai começar como titular mesmo voltando de uma artroscopia no joelho esquerdo realizada no dia 22 de julho - no último domingo, diante do Ceará, ele entrou apenas no segundo tempo. "Eu estava louco para colocá-lo no último jogo (desde o início), mas não sou louco para ele estourar. Agora, ele tem margem de segurança para atuar 60, 70 minutos", contou Tite.

Com a volta de Liedson, Willian, que vinha jogando como centroavante, foi sacado da equipe titular. O técnico sustentou a mudança argumentando que Alex, Jorge Henrique e Danilo vivem momento melhor que o jovem atacante, que começou muito bem o ano, mas já está há sete jogos sem marcar. "Começou a concorrência, alguém teria de sair do time", avisou Tite.

Ao manter Danilo e Alex juntos, Tite, de fato, muda a maneira de atuar. Ele trocou aquela correria desenfreada apresentada pelo Corinthians no começo do campeonato pela posse de bola e cadência de jogo. Ao fazer isso, disse que ganha na finalização de média distância, sem contundo, perder no poder de marcação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.