Sob pressão, Corinthians joga em casa

O Corinthians entra em campo sob pressão, neste domingo, para enfrentar o Botafogo, às 16 horas, no Pacaembu. Uma vitória passou a ser encarada como obrigação depois de uma série de atuações irregulares e resultados ruins, apesar dos 39 pontos somados, uma das melhores campanhas do Campeonato Brasileiro. A situação já está chamando a atenção de Kia Joorabchian, o presidente da MSI, que esta semana reclamou dos muitos pontos perdidos pelo time que está gerindo. E o Corinthians que não espere facilidades por parte do adversário. O Botafogo, com 32 pontos, vive situação delicada no Brasileiro e deverá complicar a partida. Se não conseguir vencer o técnico Péricles Chamusca dificilmente permanecerá no cargo. Como se os problemas já não fossem suficientes, o técnico Márcio Bittencourt precisou apagar mais um incêndio provocado por Carlos Alberto. O meia pediu para ser dispensado por algumas horas após o confronto com o Juventude, mas só retornou ao hotel onde o time estava hospedado na madrugada de quinta-feira. Foi multado. Márcio não vai afastá-lo da equipe, pelo menos por enquanto. "Não posso punir o time", justificou o treinador. Porém diz abertamente que pode mudar de idéia em um novo caso de indisciplina do jogador. E os problemas não param por aí. O atacante Jô vai oficializar nesta segunda-feira sua transferência para o Benfica de Portugal. O diretor da parceria entre Corinthians e MSI, Paulo Angioni, disse que ainda não há definição sobre a necessidade de uma nova contratação com a saída do jogador. Para complementar, os dirigentes tentaram regularizar a documentação do atacante Nilmar, que veio do Lyon, da França, para que o mesmo estreasse ao lado de Tevez neste domingo. No entanto, não conseguiram que o jogador fosse liberado para atuar. Em relação às críticas de Kia em relação ao desempenho do time, que somou oito pontos em 21 possíveis, o técnico afirmou ter consciência de que o time não poderá errar a partir de agora. "Acendeu a luz de alerta. Gostaria que o time tivesse acumulado alguma gordura (pontos de vantagem sobre os adversários) para dar mais tranqüilidade. Mas isso não ocorreu e agora temos de encarar a situação." Para tentar resolver os problemas que fizeram o grupo cair de produção no Brasileiro, os jogadores se reuniram após o treino de sexta-feira para uma longa conversa, na qual foram discutidas possíveis soluções para as falhas do time, especialmente na defesa. Boas notícias - Márcio, no entanto, não recebeu apenas notícias ruins nos últimos dias. A melhor delas foi a da volta do atacante Carlitos Tevez, que cumpriu a suspensão de três jogos por ofensas ao árbitro no jogo contra o São Caetano, e do meia Roger, que estava contundido e já se recuperou. Os dois treinaram na sexta-feira e estão confirmados entre os 11 titulares. Outro nome praticamente certo na equipe principal corintiana é o do volante Fabrício, indiretamente beneficiado pela indisciplina de Carlos Alberto. A perspectiva de atuar contra o Botafogo está sendo bastante comemorada pelo jogador, que vive fase de renovação de contrato. Ele espera, com boas apresentações, ter um argumento a mais para convencer os dirigentes a permanecer na equipe e no clube. O jogador garante que o momento de incerteza na carreira não vai interferir em seu desempenho no meio-de-campo. "Depois que se entra em campo, você só pensa no jogo. Não consegue se concentrar em outra coisa." Botafogo - O Botafogo, que no sábado demitiu Péricles Chamusca e contratou Celso Roth, será dirigido pelo interino Acácio, ex-goleiro do Vasco. Celso Roth deverá acompanhar a partida das tribunas e começará seu trabalho na segunda-feira, em Itu (interior de São Paulo, onde a equipe fará uma inter-temporada de sete dias. O zagueiro Scheidt, um dos líderes do elenco, assume parte da culpa pela má fase do time e que culminou com a saída de Chamusca. "Não se pode culpar um treinador, um jogador ou um dirigente pelos maus resultados", observou. "O erro é coletivo. O trabalho é bom e o Botafogo pode dar a volta por cima." Apesar da fase ruim, o atacante Alex Alves aposta na reabilitação já a partir de hoje à tarde, no clássico no Pacaembu. "Ganhar do Corinthians nos daria mais tranqüilidade e aumentaria a confiança da torcida", comentou. "Precisamos de bom resultado para tentarmos voltar às melhores colocações".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.