Sob pressão, Cruzeiro encara Deportivo Cali

O Cruzeiro enfrenta nesta quinta-feira o Deportivo Cali, às 21 horas, no jogo de volta das oitavas-de-final da Taça Libertadores, com a obrigação de vencer por uma diferença de dois gols. O time brasileiro perdeu a primeira partida na Colômbia por 1 a 0. Com isso, o Deportivo necessita de apenas um empate para se classificar à próxima fase. A decisão vai para a cobrança de pênaltis se o Cruzeiro vencer por um gol de diferença. Quem passar enfrenta o River Plate. As atenções da partida estão voltadas para o técnico Paulo César Gusmão, que vive um momento crucial desde que assumiu o Cruzeiro, há pouco mais de dois meses. Após duas derrotas consecutivas do time - para o próprio time colombiano e para o Paraná, pelo Campeonato Brasileiro -, a Toca da Raposa II foi invadida nos últimos dias por boatos de que sua permanência no cargo está ameaçada pela sombra de Emerson Leão, o ex-técnico do Santos. Por isso, um fracasso da equipe mineira na tentativa de passar às quartas-de-final da competição sul-americana reforçará o argumento daqueles que no clube o julgam ainda inexperiente na função. Ciente de que as pressões começam a ganhar corpo, PC Gusmão adotou durante a semana um discurso de desapego ao cargo. "Não tenho cadeira cativa no Cruzeiro. Nunca pedi e não tenho", afirmou. "Se a diretoria achar que o meu trabalho não está surtindo o efeito que ela esperava, ela tem todo o direito de trocar o treinador." Mesmo com um retrospecto favorável no comando da equipe - foram 19 jogos 12 vitórias, três empates e cinco derrotas, além do título do Campeonato Mineiro -, o técnico demonstra resignação com a exigência de resultados imediatos. "No futebol brasileiro os números não contam muito." As especulações desagradaram alguns jogadores, como o capitão Alex, que faz a função de porta-voz do grupo. "O Leão já assumiu o Atlético e agora estão colocando ele no Cruzeiro." Nesta quarta-feira, com o objetivo de acalmar o ambiente, o presidente do Cruzeiro, Alvimar de Oliveira Costa, visitou o centro de treinamento e garantiu que o emprego do técnico - que tem contrato até o final do ano - não está ameaçado. Os dirigentes mineiros, no entanto, não fizeram força para manter na comissão técnica o preparador-físico Antônio Mello, com quem PC Gusmão mantém laços de amizade e trabalha há muito tempo. Mello rescindiu seu contrato na última segunda-feira e foi trabalhar com Vanderlei Luxemburgo no Santos. O certo é que PC Gusmão cobrou dos atletas mais determinação e uma espécie de pacto pela classificação foi firmado. "Temos de lutar, temos de esquecer de tudo, dos problemas que estão acontecendo", disse o atacante Jussiê. "Com certeza vai ser um outro Cruzeiro que vai entrar em campo", afirmou o jogador, para quem a vitória e a passagem para as quartas-de-final servirá para que o time recupere sua "auto-estima". O lateral-direito Maicon, contudo, recomenda cautela. "A gente sabe que fazer dois gols é difícil, imagina se tomar um. Então vamos sair para o ataque, mas sempre protegendo lá atrás." PC Gusmão deverá repetir o mesmo time que iniciou os últimos quatro jogos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.