Sob pressão e cansado, Cruzeiro encara bolivianos para avançar na Libertadores

Em busca de uma vaga nas oitavas de final da Copa Libertadores, o Cruzeiro não terá apenas o Universitario de Sucre como adversário nesta terça-feira, no Mineirão, a partir das 20h30, pela última rodada do Grupo 3. O atual campeão brasileiro também terá de superar a decepção e a desconfiança provocadas pela eliminação nas semifinais do Campeonato Mineiro, no último domingo, além do cansaço.

LEANDRO SILVEIRA, Estadão Conteúdo

21 de abril de 2015 | 08h05

Em segundo lugar no Grupo 3 da Copa Libertadores com oito pontos, o Cruzeiro precisa vencer o Universitário para não depender do resultado do duelo entre Mineros e Huracán, na Venezuela, que será disputado no mesmo horário, para se garantir nas oitavas de final. Além disso, o triunfo assegura a liderança da chave, o que faria o time disputar como mandante o segundo jogo das oitavas de final.

A dificuldade, porém, é que o Cruzeiro tem algumas problemas a superar, além de bater o Universitario. A derrota para o Atlético-MG no último domingo, que provocou a eliminação no Campeonato Mineiro e aumentou para 11 a série de jogos sem vitórias sobre o rival, irritou a torcida e levou até mesmo a questionamentos ao trabalho do técnico Marcelo Oliveira e da diretoria.

Pressionado, o treinador prometeu uma grande atuação diante do Universitario como resposta aos torcedores, para que o Cruzeiro recupere a confiança. Para isso, porém, o time terá de superar o cansaço provocado pela sequência de jogos - o duelo com a equipe boliviana acontece pouco mais de 48 horas depois da eliminação no Campeonato Mineiro.

Na semana passada, o Cruzeiro não conseguiu superar esse desafio e acabou se complicando na Libertadores: depois de empatar com o Atlético por 1 a 1 em Belo Horizonte, no domingo retrasado, perdeu para o Huracán por 3 a 1, na Argentina, o que impediu a sua classificação antecipada às oitavas de final.

Nesta terça-feira, em casa, o Cruzeiro tentará ter mais sucesso. Para isso, vai atuar com um time com algumas alterações, especialmente no sistema defensivo. Com o zagueiro Paulo André, suspenso, Manoel ganha uma oportunidade na zaga, ao lado de Léo. Já as laterais serão ocupadas por Mayke e Mena, que não enfrentaram o Atlético no último fim de semana, quando Marcelo optou por escalar Fabiano e Fabrício, que já disputou a Libertadores pelo Inter.

Só que o Cruzeiro também não deve contar com o seu artilheiro, o centroavante Leandro Damião, que deixou o clássico com o Atlético reclamando de dores na coxa esquerda, sendo provavelmente substituído por Henrique Dourado, artilheiro do último Campeonato Brasileiro pelo Palmeiras, mas que até agora teve poucas chances com Marcelo.

Além dele, outra baixa do Cruzeiro será o meia Alison, que também reclama de dores musculares e foi substituído no clássico com o Atlético por Marquinhos. Nesse caso, o treinador vai apostar em uma formação mais veloz para superar o Universitario, dono da melhor defesa da fase de grupos da Libertadores ao lado do Corinthians, com apenas um gol sofrido.

O time boliviano é, também, um dos poucos invictos desta Libertadores e tenta manter essa condição para se classificar às oitavas de final. Apenas o décimo colocado no torneio nacional, a equipe de Sucre ao menos estará bem mais descansada do que o Cruzeiro, afinal, a partida com o Universitario de Pando, que seria disputada no último sábado, foi adiada devido ao mau tempo.

Assim, o time sonha em repetir o resultado do primeiro duelo com o Cruzeiro - empate por 0 a 0 em Sucre - para avançar na competição, o que seria considerado um feito para o futebol boliviano.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa LibertadoresCruzeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.