Kiko Huesca/ EFE
Kiko Huesca/ EFE

Sob pressão, Argentina desafia o Paraguai em Assunção

Seleção de Tata Martino perdeu para o Equador na estreia

O Estado de S. Paulo

13 de outubro de 2015 | 07h00

Surpreendida pelo Equador em Buenos Aires na primeira rodada, a Argentina entra em campo pressionada para enfrentar o Paraguai hoje, às 21h (horário de Brasília) no Defensores del Chaco, em Assunção. Além da obrigação de vencer para apagar o resultado negativo, os argentinos terão de superar os inúmeros desfalques. 

O técnico Tata Martino já não pôde convocar Messi, que se recupera de uma lesão no joelho esquerdo. Rojo, Banega e Enzo Pérez também ficaram fora da convocação pelo mesmo motivo. Para piorar, na derrota diante do Equador, o treinador perdeu o zagueiro Garay, o volante Biglia e o atacante Aguero. Ramiro Funes Mori, Kranevitter e Tévez devem começar o jogo, sem mexer na estrutura da equipe.

"Desejo que a equipe faça uma boa apresentação, não somente o resultado. Sabemos que o mais importante é vencer, mas sempre buscamos que aconteça com um bom futebol. O triunfo dá tranquilidade, mas um bom jogo é importante pensando no futuro", afirmou Tata Martino.

O Paraguai quer aproveitar os problemas da Argentina para chegar aos seis pontos depois de estrear com vitória diante da Venezuela. O técnico Ramón Díaz promete um time mais cauteloso, mesmo jogando em casa. "Seremos um adversário duríssimo", prometeu o treinador da seleção paraguaia.

Diaz também prevê um jogo bastante diferente daquela da Copa América. À época, o Paraguai foi atropelado pela Argentina por 6 a 1, sendo eliminado na semifinal. "Estávamos jogando bem no Chile, mas chegamos com um desgate enorme para aquela partida", discursou. "Estamos melhor emocionalmente. Será um grande teste para nós e, se ganharmos, ficaremos muito confiante."

Vitoriosos na primeira rodada, assim como o Paraguai, Equador, Uruguai e Chile buscam continuar com 100% de aproveitamento. Equatorianos e uruguaios jogam em casa contra Bolívia e Colômbia, respectivamente. Já os chilenos, depois de derrotarem o Brasil, vão até Lima enfrentar o Peru.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.