LUCAS UEBEL/GREMIO
LUCAS UEBEL/GREMIO

Sob pressão, Renato Gaúcho garante que não abandonará jogadores do Grêmio

Situação do treinador, que parecia ser confortável, pode se complicar caso o time não consiga se classificar para a Libertadores do ano que vem

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2019 | 06h45
Atualizado 24 de outubro de 2019 | 12h33

A humilhante goleada sofrida pelo Grêmio, por 5 a 0, para o Flamengo no Maracanã nesta quarta-feira à noite, pelo jogo de volta das semifinais da Copa Libertadores, aumentou a pressão sobre o técnico Renato Gaúcho. A eliminação se soma às quedas na Copa do Brasil e à irregularidade da equipe gaúcha no Brasileirão, fora da briga pelo título.

A situação do treinador pode se complicar caso não consiga levar o time ao G6, que dá vaga na próxima edição da Libertadores, ao fim do Brasileirão. Mas as críticas da torcida e de parte da imprensa também têm como alvo o presidente do clube gaúcho, Romildo Bozan.

A maior crítica é quanto a contratação do veterano atacante Diego Tardelli, com um salário de R$ 1,2 milhão e que não se firma como titular. Sem contar seu contrato de três anos, considerado longo para um jogador no fim de carreira, já aos 34 anos. Para a imprensa local, haveria até uma lista de dispensa no clube, que incluiria os laterais Galhardo e Léo Moura, com 41 anos.

Para o técnico Renato Gaúcho, a cobrada renovação é um processo natural. Mas ele deixou claro que este não é o momento de se mudar nada. Passada a eliminação do Grêmio para o Flamengo, o técnico já admite um fim de ciclo no clube gaúcho. Ele até chegou a afirmar que o elenco precisa passar por uma renovação visando as próximas temporadas.

"Independente dos resultados da temporada, é sempre bom renovar seu grupo, até porque tem jogadores que chegam a uma certa idade e tem que renovar. Mesmo assim, o time do Grêmio ainda é forte. Até ontem era um timaço, mas no Brasil, se perde começa a ser massacrado", disse o treinador.

Ele prometeu manter apoio a todos seus jogadores. "É sempre preciso renovar, mas temos que pensar agora nos 11 jogos que temos pela frente no Campeonato Brasileiro para ficar entre os quatro primeiros ou então terminar no G6 para ir à Libertadores do próximo ano", argumentou.

Renato Gaúcho também já adiantou que não vai queimar nenhum de seus jogadores agora e vai defender todos como sempre fez. "Não vou menosprezar ninguém, nem vou deixar ninguém do lado. Até um mês atrás nós estávamos disputando três competições importantes com estes mesmos jogadores. Então eles têm qualidade. Vamos focar agora no Brasileiro, começando pelo jogo contra o Botafogo domingo lá em casa", disse o técnico.

O Grêmio volta a campo na sua arena no domingo, às 16 horas, diante do Botafogo. No momento o time gaúcho soma 41 pontos, em sétimo lugar, um ponto a menos do que o rival Internacional. "Mesmo com tantos jogos, nós estamos na frente de muitos times que só estão num campeonato e atrás dois ou três pontos de outros deles. Temos condições de atingir nosso objetivo que é garantir uma vaga na Libertadores do ano que vem."

A delegação do Grêmio deixa o Rio de Janeiro em voo fretado às 15h30, com chegada prevista duas horas depois em Porto Alegre. A reapresentação vai acontecer na sexta-feira, quando então o time começa a se preparar visando o jogo contra o Botafogo, domingo, às 16 horas, pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.