Bruno Cantini/Atlético-MG
Bruno Cantini/Atlético-MG

Sob risco de demissão, Roger assume responsabilidade por má fase do Atlético-MG

Diretoria do clube se pronunciará sobre a situação do treinador nesta quinta-feira (20/07)

Estadão Conteúdo

20 de julho de 2017 | 10h38

A quarta derrota do Atlético Mineiro em oito jogos como mandante no Campeonato Brasileiro aumentou muito a pressão sobre o técnico Roger Machado. Cobrado pelo torcedor depois do triunfo do Bahia por 2 a 0, no Independência, na noite de quarta-feira, o treinador garantiu compreender as críticas e assegurou que elas não atrapalham o seu trabalho.

"A responsabilidade do trabalho é minha, a pressão é natural, ainda mais com o insucesso, principalmente dentro de casa. Não foi a primeira vez e nem a ultima em que fui vaiado. É ver o que precisamos evoluir e devolver a confiança dentro de casa. A insatisfação do torcedor é compreensível, não tenho do que reclamar, ele incentiva muito e quando ele não gosta, ele vaia", disse.

Na derrota para o Bahia, o Atlético-MG foi vazado logo aos 12 minutos do primeiro tempo com o gol marcado por Juninho em cobrança de pênalti. E depois de muita pressão, dificuldade para superar o sistema defensivo do adversário e grandes defesas do goleiro Jean, voltou a ser vazado por Juninho, nos minutos finais da segunda etapa, em finalização de fora da área.

Após o jogo, ainda no estádio, Roger teve uma reunião com membros da diretoria do Atlético-MG, que deve se pronunciar sobre a situação do treinador ainda nesta quinta-feira. Sob o risco de ser demitido, ele assumiu a responsabilidade pelos tropeços, declarou que a pressão sobre ele é constante e tentou passar confiança na possibilidade de a equipe reagir.

"Sobre a pressão pelo cargo, o treinador está sempre pressionado, basta um ou dois insucessos, no segundo clássico do ano já havia pressão. Hoje foi a 42ª partida e neste período fui várias vezes pressionado. A primeira figura questionada é o comandante, a continuidade do trabalho depende do resultado. É fácil solicitar ou questionar a permanência do treinador. Vivo disso, sei como funciona. Temos que procurar vencer, só assim as coisas se acalmam", comentou.

Derrotado, o Atlético-MG está em 11º lugar no Brasileirão, com 20 pontos. O time voltará a jogar no próximo domingo, quando vai receber o Vasco, no Independência, pela 16ª rodada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.