Sob vaias, São Paulo empata com o Coritiba pelo Brasileirão

Equipe ainda sente o golpe da desclassificação na Copa Libertadores e irrita seu torcedor, no Morumbi

Alan Rafael Villaverde, estadao.com.br

25 de maio de 2008 | 17h55

O São Paulo tenta se recuperar do "nocaute" recebido com a desclassificação na Libertadores para focar a conquista do inédito tricampeonato brasileiro. E, neste processo de "cura", a equipe do técnico Muricy Ramalho empatou em 1 a 1 com o Coritiba, neste domingo, no Morumbi, em partida válida pela terceira rodada do Brasileirão. Veja também: Classificação Calendário / Resultados Ouça os gols  - Rádio Eldorado/ESPN - AM 700 Jogadores do São Paulo admitem abatimentoO resultado pouco importa - São Paulo soma apenas dois pontos -, uma vez que o foco era esquecer a derrota para o Fluminense, que tirou a equipe da Libertadores pelo terceiro ano consecutivo, colocando em xeque o trabalho de Muricy Ramalho e o planejamento - outrora exaltado - da diretoria são-paulina.Diante de um público acanhado e chateado pelo futebol apresentado nesta temporada, o São Paulo enfrentou o Coritiba com a base do jogo diante do Fluminense, apenas com as entradas de Aloísio e Borges no ataque, nos lugares de Adriano e Dagoberto, além de Joílson definitivamente na vaga de Jancarlos. Já Jorge Wagner reconquistou a vaga de titular.RESSACA Como esperado, o São Paulo entrou em campo ainda com a cabeça na Libertadores. Melhor para o Coritiba, que dominou os primeiros 20 minutos, abrindo o placar aos 15, quando Michael, ex-Guaratinguetá, fez o que quis pela direita e cruzou rasteiro para a conclusão do veterano Rubens Cardoso. O gol dava a impressão que selaria mais um revés tricolor, já que Hernanes tinha a responsabilidade de armar o jogo, e o Coritiba, com bons contra-ataques pela direita, tinha tudo para ampliar o marcador.O São Paulo, no entanto, contou com o erro do goleiro Edson Bastos para ressurgir no jogo. Aos 26 minutos, Jorge Wagner cruzou pela esquerda e o goleiro do Coritiba rebateu nos pés de Borges, que só teve o trabalho de concluir e deixar o placar igualado.AMBIENTE CONTURBADOMesmo com o gol, Borges deixou claro que o ambiente são-paulino não anda tão bom. Ao ser indagado por repórteres, no intervalo, o atacante mostrou sua insatisfação por não ser titular. "É...Estou aqui já faz um bom tempo e tenho 24 gols, mas ainda tenho que lutar para provar que posso ser titular. Fazer o quê...Vou continuar a trabalhar." São Paulo1Rogério Ceni; Joílson (Dagoberto), Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Fábio Santos, Zé Luís, Hernanes e Jorge Wagner; Borges e AloísioTécnico: Muricy Ramalho Coritiba1Edson Bastos; Pedro Ken, Maurício, Nenê e Ricardinho; Douglas Silva, Alê (Felipe), Michael (Guaru) e Rubens Cardoso; Hugo e Henrique Dias (Marlos)Técnico: Dorival JúniorGols: Rubens Cardoso, aos 15; Borges, aos 26 minutos do primeiro tempoÁrbitro: Wagner Tardelli (Fifa-SC)Renda: R$ 93.630,00Público: 5.049 totalEstádio: Morumbi, em São Paulo, SPAparentemente satisfeito e alheio à reclamação de Borges, Muricy Ramalho manteve a formação inicial para a segunda etapa, e contou com a ajuda do técnico Dorival Júnior, que tirou Michael para a entrada de Guaru.Sem a preocupação de marcar o arisco Michael, o São Paulo dominou, mas a velha deficiência voltou a aparecer: a falta de um meia. As jogadas eram feitas, mas faltava o toque para a entrada dos atacantes na área, facilitando a marcação do Coritiba.Diante das opções que possuía no banco de reservas, Muricy Ramalho - rouco de tanto gritar com os jogadores - optou pelas entradas de Hugo e Dagoberto. As alterações não surtiram efeito e o único lance de destaque aconteceu aos 38, quando Richarlyson cruzou e Borges e Hugo furaram, perdendo grande chance para colocar o São Paulo à frente.FIM DA SUPREMACIA?Os minutos finais da partida foram a síntese desta temporada para o torcedor tricolor, que viu uma equipe apática, sem criatividade. As vaias, como esperado, deram o toque dramático de uma era que pode estar perto do fim ou de mais um ressurgimento, como aconteceu após a desclassificação na Libertadores de 2007.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.